Fico paralisada observado as iniciais cercada por uma rosa negra coberta por espinhos. Estava sem reação, mal conseguia pensar por causa da quantidade que álcool que havia ingerido, e aquilo era algo que estava muito além de minha capacidade mental no momento, já que me encontrava praticamente fora do controle. Pisco diversas vezes e volto meu olhar para o moreno que estava à espera de alguma palavra da minha parte, com as sobrancelhas arqueadas. Abro a boca para tentar pronunciar algo, mas eu nem ao menos sabia o que dizer, estava tão surpresa e confusa que nem uma simples frase conseguia ser pronunciada. Ele revira os olhos já sem paciência de tanto esperar minha opinião e se levanta da cadeira, pegando da mão do tatuador uma pomada que é espalhada por toda a região de sua nova tatuagem. Continuo imóvel na cadeira o observando com indiferença, os dois homens se viram para me olhar, me fazendo encolher sobre a cadeira desconfortável. Zayn volta a entregar o tubo do remédio ao homem, fala alguma coisa , e se aproxima de mim, pegando o copo de minha mão, bebendo um longo gole da caipirinha. Em seguida desce sua atenção para mim e pega em minha mão com gentileza, me puxando para fora do objeto para que ele pudesse se sentar. O homem coberto por piercings me entrega uma pasta com várias imagens diferentes de diversas tatuagens, ignoro o livro e me sento sobre a cadeira acolchoada de couro preto, onde a pouco o moreno estava sendo tatuado.

" Já sei o que vou querer." Digo confiante, levando as mãos para o botão da calça. Zayn se levanta as pressas, colocando as mãos sobre as minhas, me impedindo de desabotoar. E vira a cabeça para olhar de forma feia para o homem, que parece ficar sem jeito no mesmo instante.

" Vá beber alguma coisa, deixe que eu faço isso." Gorden balança a cabeça afirmando e se retira. O moreno a minha frente me olha da mesma forma e entrega o copo, antes de se virar e ir para onde se encontrava o equipamento de tatuagens, limpando tudo e se preparando para fazer a primeira de minha vida. Coloco o copo descartável sobre a mesa de plástico, e começo a tirar a calça, a abaixando até minha intimidade, e por fim dobro a parte de cima da calcinha, deixando a área que queria livre de qualquer pano. " O que vai querer fazer ?" Ele pergunta me olhando de cima a baixo, parando seu olhar onde ele a algumas horas estava se empurrando para dentro.

" Quero que escreva 'Daddy' com um lacinho Rosa. Bem aqui." Digo com um pequeno sorriso assim que indico o início de minha intimidade. Vejo-o encarar a ponta de meu dedo que tocava o local- se desligando totalmente.- e no momento em que acorda de seu transe, ele balança a cabeça de um lado para o outro na tentativa de se livrar do que lhe vinha a cabeça. Mordo o lábio inferior com um sorriso atrevido- sabendo o que se passava em sua mente- e observo o homem magro  sem camisa colocar uma agulha que continha diversas mais, preparar duas pequenas tampinhas uma com a tinta preta e a outra com a rosa. O mesmo se aproxima de mim se senta na banqueta ao meu lado segurando uma prancheta, e caneta, e com a maior concentração ele escreve o que eu havia pedido em uma bela letra corrida e desenha um belo laço, que deixava a tatuagem fofa, em seguida passa algo sobre o local onde seria tatuado e aplica o papel contra minha pele, fazendo a palavra e desenho sairem com perfeição. O mesmo na intenção de me provocar se aproxima de minha cintura e morde a pele do local, até um pequeno gemido escapar de meus lábios, fazendo-o se afastar rindo em divertimento enquanto volta a mexer com o que fazia antes. " Vai doer um pouco, é como uma picada de abelha, porém, com algumas amigas ao mesmo tempo. " ele tenta me amedrontar. As agulhas são pousadas sobre a tinta preta e em seguida a máquina é ligada, iniciando um barulho irritante.

" Nenhuma dor se compara a que eu sinto a cada segundo, e não é uma simples tatuagem que me fará mudar de ideia." Vejo-o tentar ignorar o efeito que minhas palavras causam nele. O mesmo balança a cabeça afirmando lentamente e começa a contornar as letras. Não era tão dolorido como diziam, era algo suportável e se nos concentrávamos em qualquer outra coisa, poderíamos sentir apenas a vibração contra a pele, realmente não parecia que mais de três agulhas estavam a me furar ao mesmo tempo. Olho para baixo e vislumbro o rosto de meu sequestrador, tão bonito. Suas mãos estavam cobertas por luvas brancas que trabalhavam na área tatuada. Sua expressão tão concentrada assim como da vez que cuidou de mim em seu quarto. Por algum motivo meu coração estava acelerado, e por mais que eu quisesse queria poder parar de olhar para ele e ver um homem mais atraente do que o comum, queria poder parar de me sentir atraída por aqueles olhos cor-de-mel demoníacos, aqueles lábios carnudos tão macios que despertava o desejo de beijá-los, seu corpo magro definido, suas tatuagens e até mesmo seu nariz. Tudo nele estava se tornando atrativo demais, o que é loucura total. Ele era o homem que havia matado minha melhor amiga, me estuprado e torturado, o homem que constantemente troca de humor, que me defende dos outros, e garante minha morte toda a vez que sentia raiva. Estico o braço até o copo descartável e pego um gelo, colocando-o na boca, iniciando uma brincadeira entre o conteúdo congelado e minha língua." Afinal, você realmente sabe fazer isso, Daddy ?" Pergunto descendo meu olhar para ele novamente, observando-o afastar a máquina de minha pele, passar o papel e voltar a pressionar as agulhas em minha intimidade.

Baby Girl: LOSTLeia esta história GRATUITAMENTE!