Capítulo 1

799 52 6

Pode-se dizer que Caroline Bingley possuía tudo que sua mente aristocrática desejava: Inegável beleza - ressaltada por longos cabelos ruivos cuidadosamente tratados por uma criada pessoal - olhos de um verde hipnotizante, pele macia e sedosa, alva como leite e salpicada por encantadoras sardas, corpo bem dividido, com suaves curvas marcadas por espartilhos e corpetes apertados sob luxuosos vestidos, lábios bem desenhados, finos e delicados de um tom rosado vivo. Além de tudo isso fora educada pelas melhores tutoras da corte Inglesa, possuía um dote respeitável e pertencia a uma família nobre. Era como viver um conto de fadas.

Caroline não era dada a gastar seu tempo com exaustivas leituras, mas falava mais de uma língua fluentemente, entendia o suficiente de música, dança e artes para palestrar com facilidade e executava peças clássicas e modernas ao piano com relativa facilidade.

Seu andar gracioso, como se flutuasse suspensa, povoava a imaginação dos homens por onde passava. Tamanhas qualidades aliadas a sua graça e formosura fariam a maioria das moças da sociedade se sentirem satisfeitas, mas Miss Bingley possuía encantos que iam muito além.

No entanto, Miss Caroline tratava seus admiradores apenas com educação, sem lhes dispensar maiores atenções, porque um único homem fazia Caroline dedicar seus melhores sorrisos, vestir os mais delicados vestidos, usar suas fragrâncias francesas prediletas e, principalmente, devanear sobre um futuro ao seu lado.

Tal homem era, assim como ela, inegavelmente belo, de porte altivo, pele branca, cabelos intensamente negros e profundos olhos azuis. Tratava-se de Fitzwilliam Darcy, o senhor de Pemberley, a maior e mais importante propriedade do Derbyshire, e melhor amigo de seu irmão, Mr. Bingley.

Os amigos se conheciam há muito tempo, e Caroline se encantara por Darcy desde a primeira vez que o viu. Tentara de todas as maneiras quebrar a frieza com que ele tratava a todos, e aos poucos o percebia mais flexível, embora negasse notar que as atenções despendidas a ela não se diferenciava do modo que ele tratava qualquer outra moça solteira. Tinha esperanças de que seria a opção mais segura, caso Darcy resolvesse se casar, e devido a isso chegou a recusar uma proposta que recebeu de outro rapaz.

Suas esperanças foram dizimadas após uma temporada no Hertfordshire, onde o irmão havia alugado um excelente casarão para a família. Mr. Darcy, que os havia acompanhado, encantou-se por uma moça da região, que, na opinião de Caroline era deselegante, ousada demais, e com uma família completamente sem modos. Não fosse o bastante seu irmão caiu de amores pela irmã mais velha de sua rival, obrigando Miss Bingley a suportar toda aquela aura de amor ao seu lado com visível desgosto.

Os meses de noivado dos amigos com as irmãs Bennet foram os mais fáceis de suportar, uma vez que Caroline estava frequentando a season com sua irmã mais velha e seu esposo. Os vestidos, as festas e as danças ajudavam a tirar de sua cabeça, embora não totalmente, que o homem que ela amava ia se casar em pouco tempo, e não seria com ela. Rezava todas as noites para que Darcy se arrependesse daquele noivado, ou melhor, para que ele enxergasse o tipo de pessoas as quais estava prestes a se tornar parente.

Mas o dia do casamento chegou, e Caroline teve que ver com seus próprios olhos outra mulher ocupando o lugar que sempre sonhara, ao lado daquele homem. Não deu a ninguém o gostinho de derramar uma lágrima sequer em público, porém, seu quarto e seus objetos pessoais foram vítimas de sua fúria.

Os casais seguiram para a nova vida de recém-casados e Caroline permaneceu com os Hurst, até que Charles e Jane voltassem da viagem. Louisa sabia das esperanças que sua irmã nutria por Mr. Darcy, mas a vida era daquela forma, ela já estava conformada com a sina das mulheres, que só podiam esperar que fossem escolhidas por algum homem decente e respeitável, e ela torcia para que o mesmo logo acontecesse com Caroline, nem que o noivo fosse como o seu marido, alguém que não lhe despertava grandes sentimentos. O pior era ficar sozinha, isso não poderia acontecer com sua irmã, tornar-se assunto de falatório por ser uma solteirona.

Corazón PartioLeia esta história GRATUITAMENTE!