Capítulo 34

6.4K 388 33

Amores, Quem quiser entrar no grupo do whatsapp me chama por lá, porque eu esqueço heuheu. Espero que gostem do cap. de hoje, Beijão.

Davi.

Confesso que me surpreendi com a atitude da Alice... Levo ela pra casa, enquanto ela faz umas perguntas. Chegamos e ela sai do carro. Abro a porta pra ela, e quando o Adam nos vê, vem correndo abraçar ela. Quando ele faz isso, acho que ela não esperava essa reação dele, porque ela me olha com uma cara de tipo : Que que eu tenho que fazer? E eu sorri.

- Que bom que você voltou, Lili. - Ele sorri, e ela também.

- É, Voltei..- Ela repara a casa e o Luan vem abraça-lá também. Logo depois minha mãe chama os dois, para ajudar ela a fazer o almoço e eles vão. Eles são bem parecidos comigo, quando era pequeno,em questão : Gostar de cozinhar. - Davi, qual deles é meu irmão , afinal?

- O do olho azul.- Digo.- Ele se parece com você.- Ela sorri.

- E o outro ?

- Seu cunhado.- Ela ri.

- Seu irmão?- Pergunta.

- Sim.

- Ele é bem diferente de você.

- Diferente?- Pergunto sem entender.

- É, mais bonito.- Ela sai rindo e eu mando o dedo do meio pra ela, também rindo.

- Ha,Ha to tentando achar a graça, mas não to conseguindo.- Ironizo.

- Vamos por um pouco mais de humor nessa sua vida , Davi. Não leve nada tão a sério.- Ela me tampa uma almofada, me fazendo rir.


Alice.

Estava louca , pra conhecer nossos amigos, que até agora ele não me mostrou, porque eu tenho que descansar e blá,blá, blá.- Imagine eu revirando os olhos.- Qual é?! já fiquei 5 meses em uma cama de hospital,descansar é a ultima coisa que eu quero fazer agora. Que saco. Agora estamos eu e ele, sentados em duas cadeiras que rodam, tipo aquelas de barzinho sabe ?! rindo do meu irmão, meu cunhado e a dona Olga, cozinhando. Na verdade , só Olga, sem o dona, apenas Olga, só Olga, o dona não, tá , já sei que você entendeu. E eu não resisto, sabe. Não posso me sentar em uma cadeira como essa. Começo a rodar que nem louca.

- Luan, isso ta errado, tapado.- o Davi fala com o irmão.

- tadinho, não fala assim com ele.- Defendo.

- Mas o cabeçudo ta,fazendo errado.

- Ué...- O telefone do Davi começa a tocar e ele atende.

- Ooi, Aham..HOJE?.. Não hoje, não.. Más..Tá vou perguntar pra ela.- Ele se vira,pra mim logo depois.- Nossos amigos quer vir te ver hoje, pode?- Ele diz e eu dou um sorriso largo. Parece até aquele de filmes de terror, sabe ?

- Claro.- Respondo imediatamente, na verdade imediatamente não foi mas.. ah esquece.

- Tá, ela disse que não porque tá cansada.- Ele responde e eu praticamente me jogo em cima dele pra pegar o celular, da sua mão.

- É mentira! - grito, e vejo alguém rindo do outro lado. - Davi, me dá o celular.- Peço enquanto eles ficam rindo da minha tentativa, que está falhando.- Daaaavi.

- Calma.- Ele ri.

- Você sabe que eu não tenho que descansar, fiquei cinco meses em uma cama de hospital. Tempo suficiente pra mim descansar o máximo.- Digo séria, será que ele não entende que vai fazer bem pra mim ver meus amigos?

- Tá, calma estressadinha.- Ele aperta minha bochecha e eu não aguento e rio. - Pode vir, Só que sem bagunça, me ouviu Daniel?.. Tá, tchau.- Ele desliga.

- Me trata como uma bebê.- Cruzo os baços, fazendo um bico enorme.

- Más você é minha bebê.- Ele aperta minha bochecha rindo.








Apaixonados por Acaso (EM REVISÃO)Leia esta história GRATUITAMENTE!