truth or dare - 02

10.2K 709 660

  Nota:  oioioi, demorei? acho que não, hein!!! então... muito obrigada?!? mais de 80 votos no primeiro capítulo, pode  não ser muito, levando em consideração o que eu tinha antes mas é tão bom saber que ainda tenho vocês aqui, me acompanhando. já estou com alguns capítulos prontos aqui e vou postar conforme os comentários, ok? é o mesmo sisteminha de antes. comentários = att. amo vocês pra caralho. vou começar a dedicar os capítulos?!? o que acham??? certo. BOA LEITURA. (twitter: larrydisturb) 




✿  



           Mais tarde, após cair no sono por um bom período de tempo, Louis foi acordado por uma das mil ligações de Stanley e pelo som assombroso da abertura de Skins como toque de chamada.

-Fala. — Bocejou, revirando os olhos, ainda sonolento.
-Nossa! Cadê sua animação? — Stan berrou inconformado com a frieza do amigo. — Não 'tá com saudades de mim? Não quer conversar e me contar como foi seu dia?
-Stanley, pelos deuses, você se mudou hoje.
-Não interessa, eu pensei que sentiria minha falta mas pelo visto já superou. — Reclamou o moreno, fazendo uma voz de choro forçada.
-Pode ser mais direto? — Louis implorou, contrariado.
-Ok, hum, só queria te chamar para a noite dos calouros, você sabe como é... O Zayn liberou o apê dele pra gente, então pensei em dar uma festa só para gays e você finalmente poderia ficar com alguém e desenferrujar, arrumar um namorado, casar com ele, etc. — Ofegou, a procura de ar após o falatório.
-Como seria essa festa dos calouros?
-Verdade ou desafio. — Riu baixinho. — Verdade ou desafio é sempre divertido.
-Mas você nem vai jogar, você tem namorado. — Louis revirou os olhos.
-Exatamente. Eu tenho namorado, você não. Foi tudo muito bem planejado. — Stanley suspirou orgulhoso de seu próprio plano mal elaborado.
-Não sei se vou.
-Não vem com essa, gastei gasolina pra vir te buscar, desce aqui agora!
-Mano, você está na porta da república? — Louis berrou, chocado. Olhou pela janela de seu quarto e viu o Range Rover preto do amigo muito mal estacionado por sinal, na calçada.

          De dentro do carro, Stanley sacudiu seus bracinhos gorduchos pela janela, arrancando uma risada de Louis, lá estava Stanley sendo Stanley. Talvez não fosse ruim ter uma noite com os calouros, se aproveitar deles e quem sabe se divertir um pouquinho. De repente, uma questão surgiu automaticamente na mente de Louis e ele se arrependeu ao que permitiu que a mesma saísse por seus lábios:

-O Harry vai?
-Hmmm... — Stanley insinuou e apertou a buzina do carro repetidas vezes, como se estivesse comemorando. — Se interessou, hum? Hum?
-N-Não. — Louis cortou, ele não sabia a razão pela qual estava questionando aquilo, agora ele e Harry eram colegas de quarto, qual era o problema em querer saber?
-Ok, eu não sei se ele vai, mas... Vá procurar ele pela república e pergunte! — Louis pôde ouvir o sorriso de Stanley em sua voz, aquilo não era normal. — Estou esperando vocês dois aqui fora. Beijão, princesa.
-Princesa o caralho. — Louis rebateu, mas já era tarde demais, o amigo já havia encerrado a ligação.

            Após um banho rápido de no máximo cinco minutos, Louis vestiu uma bermuda jeans e uma de suas regatas brancas, calçando em seguida seu vans e penteando o cabelo de qualquer jeito. Deu uma borrifada de seu perfume no pescoço e saiu pela república atrás do nerd. Depois de muito procurar, se deparou com Harry na cozinha, brincando de casinha e tentando cozinhar algo que a paciência de Louis preferiu não questionar. Mas estava com um cheiro muito bom.

-Stanley... — Louis citou o amigo, não queria que Harry pensasse que ele desejava sua companhia, ele jamais iria querer a companhia de Harry. — Stanley pediu para que eu te chamasse para a noite dos calouros na casa do Zayn.
-É, ele falou que você viria me chamar. — Harry suspirou sem desviar o olhar da panela e mostrando o celular para Louis. — Não sei se serei bem vindo.
-Oh, quanta frescura, vai se vestir, mano. — Louis não se entendeu naquele momento mas ele só queria que Harry largasse aquela maldita panela e fosse se vestir para ir a festa.
-Hum... Ok, só por ter pedido com jeitinho. — Harry sorriu, desligando o fogão e guardando a panela dentro da geladeira.
-Estamos te esperando lá fora.

                  Louis caminhou até a saída, não antes de pegar seu celular e notar que o grupo 'swagay' não parava de falar sobre a festa de última hora. Entrou no Range Rover do amigo, no banco da frente, para garantir que Harry não fosse roubá-lo como havia roubado mais cedo. Stanley bateu palminhas e deu um beijo na bochecha esquerda de Louis.

-Você está muito gato! — O amigo cutucou as costelas de Louis.
-Cala a boca.
-Nossa! Why you gotta be so rude? — Stanley cantarolou, arrancando uma risadinha de Louis que revirou os olhos. — Onde o Harry está? Ele não vai?
-Está se arrumando. — Suspirou. — Garotas...
-Não acho que deve ficar agindo assim com ele, você mal o conhece, ele é um cara bem legal quando se senta para conversar. — O moreno repreendeu. — Devia parar de julgar as pessoas somente pela aparência.
-Devia parar de me encher. — Louis de repente ficou estressado e Stanley soube que aquele não era um bom momento para continuar a discussão, quando Harry cruzou a porta de saída da república.

        O cacheado agora tinha o cabelo rodeado por uma bandana, uma calça skinny preta, uma bota de couro e uma camiseta cavada que mostrava tatuagens que antes Louis não havia notado. Seu rosto se apossava de uma covinha sapeca e ele aparentava estar realmente feliz. Onde seu óculos havia ido parar?

-Boa noite. — Harry sibilou, entrando no veículo e depositando um beijo na bochecha de Stanley, Louis bufou.
-Está animado? — Stanley indagou, ligando o veículo e sorrindo para Harry.
-Espero que eu consiga pegar alguém! — Harry riu timidamente.
-Não tem como sair de lá sem pegar alguém... — Stanley contou, puxando a marcha e rindo anasalado. — Por isso estou levando o Louis, já que ele não sabe fazer esse tipo de coisa sem um empurrãozinho.

             Louis engasgou, revirando os olhos e notando por sua visão panorâmica que Harry o fitava.

-Deve ser por causa da personalidade forte dele. — Harry sugeriu, como se Louis não estivesse ali, o que irritou o rapaz mais ainda.
-Talvez seja opcional. — Louis sugeriu, encarando Harry nos olhos.
-Opcional? — Stanley gargalhou. — Eu aposto que é por causa da personalidade mesmo, você é um bruto.
-Onde o Niall está para calar essa sua maldita boca? — Louis bufou, fuçando no celular como se tivesse algo realmente interessante no aparelho, era melhor que encarar Harry.
-Ele já está na festinha! Vocês não tem a mínima noção, todos os rapazes do grupo que eu criei vão. — Contou Stanley, fazendo questão de destacar o 'eu'.

                Ao chegarem ao apartamento, Zayn foi o recepcionista e deu um selinho nos lábios de Louis, que corou e sorriu. Era um costume de Zayn dar um selinho nos lábios de Louis sempre que podia, talvez por já terem ficado diversas vezes antes de decidirem que não dava, a melhor opção seria manter uma amizade, foi o que eles fizeram, mas isso não queria dizer que Zayn não gostava de tirar uma casquinha do amigo as vezes. Os três foram guiados até uma sala de estar cheia de rapazes espalhados, alguns nos sofás, outros no chão, outros nas cadeiras da mesa de jantar e até mesmo sentados uns no colo dos outros, o clima estava descontraído e Harry automaticamente se sentiu desconfortável, eram muitos caras bonitos e assim que ele pisou no cômodo, todos os olhares se dirigiram a ele, ficou preocupado caso alguém o reconhecesse e falasse algo, mas todos continuaram suas respectivas conversas e receberam-no calorosamente. Ele não estava a fim de ser julgado, não naquela ocasião.

transpholiarWhere stories live. Discover now