Capítulo 1 - A garotinha que se mudou para a cidade grande

3.6K 39 12

A garotinha arrumou as malas e partiu para a cidade. Cabelo arrumado, bonitinha e talvez pronta para se virar sozinha, mas a linda debutante não era mais tão limpinha. Já tinha dezessete quando chegou lá, sabia um ou dois truques e tinha jogo de cintura de sobra para conseguir o que queria.

Era a primeira manhã de Bárbara Corrêa, a Babi, em seu apartamento em São Paulo. Bem, seu não pois era alugado. Tudo cheirando a coisa nova, a máquina de café expresso chiando na cozinha, um lindo cupcake ao lado da caneca com o desenho de uma caveira dourada repousando na escrivaninha branca com corações esculpidos nas laterais, além do iPhone tocando a playlist "Breakfast" que ela tinha programado para aquele momento tão especial.

Muita gente no mundo quer fica famosa porque fama é quase um sinônimo de dinheiro fácil e reconhecimento. Elogios sem fim por tudo de bom que você acredita que é. Mas quando você não tem um talento, não sabe cantar, nem atuar, nem dançar, e muito menos é linda e gostosa, e ainda nasceu pobre (e não tem dinheiro para investir em plásticas), você começa um blog. Só é preciso fingir ter uma vida interessante. Com o tempo, as pessoas vão ler o que você escreveu e pensar "Uau, essa menina deve ter uma vida bem legal. A minha vida não é assim. Vou acompanhar a dela para me divertir um pouquinho". O piegas, porém clássico, "Nossa, ela pensa como eu, ela dá voz ao que eu sinto" também funciona. É assim que a grana começa a entrar. No bolso da blogueira, claro!

Se alguém consegue convencer algumas adolescentes de que ela é uma pessoa interessante, está feita! Existe idade melhor para ser enganada e usada?

Babi, conscientemente ou não, conseguiu aproveitar-se disso muito bem. Quando começou, não passava de mais uma dessas garotinhas que sonham em ser a Taylor Swift ou a Adriana Lima. Só que ela não cantava como a Taylor, nem era alta e magra como a Adriana. O que restou para se livrar da frustração de ser uma ninguém? Escrever textos de dor de cotovelo num blog.

Quando começou a receber alguma atenção, ela viu a oportunidade. E isso é preciso admitir: Babi é muito esperta! Ela tem a veia para os negócios. Agarrou com unhas e dentes. A ideia de criar um sistema de troca de links com outros blogs parecidos com o dela deu muito certo, mais certo do que ela podia imaginar. Em alguns meses, o público diminuto de cada blog transformou-se no público imenso só dela. Depois disso, ela nunca mais indicou outro blog para seu público e fingiu não conhecer nenhuma das outras blogueiras, bloqueando-as em toda e qualquer rede social. Para quê ela manteria amizades que já não lhe rendiam nada?

Com a popularidade em alta, a grana começou a entrar e ela começou a gastar. Quanto mais coisas novas ela mostrava no blog, mais as leitoras queriam ver, mais visitas ela ganhava e, de repente, ela ficou mal acostumada.

Poucos anos depois e ela está vivendo na cidade onde tudo acontece. Não perderia mais nenhum evento por morar longe, estaria em todas as festas, participaria de todos os bafos, ganharia todos os mimos que chegam para quem está perto de quem tem o que oferecer.

Abriu o laptop e começou a checar todas as atulizações em seu feed de concorrentes. Precisava saber o que os outros blogs estão fazendo para se inspirar para novas ideias e fazer melhor para continuar no topo. O blog de Joice era o primeiro da lista.

Aquela imitação barata insistia em continuar usando o passado comum para se promover. Até hoje, meses depois da formatura, Joice continuava falando que elas eram amigas desde o colégio. E agora isso!

Joice tinha mesmo que publicar aquele post falando sobre os blogs de moda? Ou melhor, criticando o volume aparentemente infinito de blogs de moda? Ainda mais trazendo comentários anônimos de pessoas que supostamente trabalham na área. Lá no fundo, Babi acha que sabe que aqueles comentários são falsos. Joice, que insistia em usar aquele apelido ridículo de Joy, não conhece tanta gente assim, não tem tantos parceiros assim.

OFFLINE - O mundo secreto (e podre!) dos blogs de modaLeia esta história GRATUITAMENTE!