Dez - Alice

500 56 3

Jax, o grande filho da mãe, me deixou mesmo plantada no meio da floresta e fugiu com sua carroça idiota

Ops! Esta imagem não segue as nossas diretrizes de conteúdo. Para continuar a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Jax, o grande filho da mãe, me deixou mesmo plantada no meio da floresta e fugiu com sua carroça idiota. Eu voltei para a parte de fora da floresta, beirando a trilha, andando a esmo e já bem consciente de que ia morrer. Talvez quando passasse por ali outra vez e encontrasse meu corpo em decomposição, ele se sentisse culpado por ter me deixado sozinha no meio de uma terra repleta de monstros.

Eu já andava cabisbaixa, pronta para me sentar e encarar meu destino cruel, quando ouvi alguma coisa vindo apressada pela trilha. Ouvi relinchos. Me joguei para dentro do mato outra vez, temendo que fossem os trolls com os cavalos infernais, e fiquei observando a trilha por uma pequena fresta entre as folhas grandes que se erguiam dos arbustos no chão.

Mas não eram os trolls. Era uma carroça. Uma carroça que eu reconheci.

Saltei dos arbustos – o que confesso que foi uma decisão bem idiota, considerando que eu podia ter me enganado ter me enganado sobre a carroça – e parei bem ao lado da trilha.

- Jax? – chamei, com um pouco de dificuldade, porque não tinha forças nem para gritar direito. Mas não era ele que estava na carroça. Claro que não. – Sebastian...?

Ele saltou da carroça antes mesmo que ela parasse, e veio correndo na minha direção.

- Meu Deus, você está bem? – ele perguntou, colocando a mão em meu ombro, escaneando meu corpo a procura de algum machucado. Daquela vez eu vi, seus olhos eram cor de âmbar. – Não acredito que o infeliz do meu irmão te deixou aqui sozinha. – ele subiu os olhos para me encarar. – Tudo bem mesmo?

Fiz que sim, simplesmente feliz por eu não estar mais sozinha. Mas o que ele tinha dito...

- Vocês são irmãos?

Sebastian começou a me puxar na direção da carroça, bem devagar, como se tivesse medo que eu fosse cair.

- Não somos muito parecidos, eu sei. – ele disse, como se já tivesse ouvido aquilo inúmeras vezes. – É uma longa história, na verdade. Peço desculpas por ele. O Jax é meio... insensível.

- Muito insensível. – completei, enquanto Sebastian me ajudava a subir na carroça, que era puxada por uma égua forte. Ela relinchou quando me viu passar e eu me encolhi, mas Sebastian não pareceu notar. Depois de se certificar que eu estava sentada e segura, ele deu a volta e subiu para se sentar ao meu lado.

- Não é culpa dele. É que... – ele sorriu, meu sem graça, agitando as rédeas e fazendo aquela coisa começar a andar – Outra longa história. Só tente não se importar muito com as coisas que ele faz ou diz.

Anotei aquilo mentalmente.

- Onde estamos indo?

- Para a hospedaria da minha mãe. Não fica muito longe, só uns três quilômetros ao norte. – Sebastian me olhou, como se finalmente me notasse pela primeira vez. – Qual seu nome?

Coração de vidroLeia esta história GRATUITAMENTE!