Lutamos em um formigueiro

3.1K 335 193

Nossa única vantagem dentro do labirinto estava destruída em minha frente. Eu só conseguia pensar em uma coisa: sem o GPS poderíamos nos perder e jamais encontrar a Chama Sagrada, vagar dentro desse lugar obscuro para sempre. Você acha que sou pessimista? Na verdade, estava sendo otimista. Passaríamos a eternidade no labirinto, se sobrevivêssemos ao ataque em massa das formigas gigantes. Será que poderia ficar pior? Prefiro nem pensar nessa hipótese.

Os monstros não paravam de aparecer. Surgiam por todas as aberturas da arena ― que por sinal, eram muitas.

Eu não estava em condições de contar, mas poderia dizer que facilmente ultrapassavam o número de quinhentas formigas. Algumas eram humanoides, possuíam mãos quem empunhavam machados. Outras, no entanto, eram totalmente monstruosas, em vez de mãos normais, exibiam pinças afiadas.

― Mas que droga é essa?! ― perguntei exasperado.

― Não tenho certeza ― respondeu Maia ―, mas... me parecem Ettercaps.

― Etter... o quê? ― questionei enquanto se projetavam em minhas mãos, meu escudo mágico e a Espada do Oeste.

Ettercaps! ― exclamou ela, disparando uma flecha no meio da cabeça de um dos monstros, que subitamente saltou sobre nós, o transformando em uma nuvem negra. ― Já ouvi algumas histórias sobre essas coisas, e nenhuma delas acaba bem.

 ― Já ouvi algumas histórias sobre essas coisas, e nenhuma delas acaba bem

Estávamos completamente cercados. Meus sentidos estavam apurados, eu olhava ao redor em busca de algo que pudesse nos tirar dessa situação. Porém, não havia para onde correr. As criaturas estavam se agrupando a nossa volta, enquanto recuávamos cada vez mais.

Um deles girou em minha direção, tentando me acertar com seu ferrão. Instintivamente, bloqueei a investida usando meu escudo e com a espada decepei a cauda do monstro.

UUURGHHH! ― urrou a criatura antes de sentir minha espada atravessando-o por completo.

― Tenha cuidado com esse ferrão Oliver, dizem que a marca do, Ettercap é extremamente venenosa ― explicou Maia, preparando outra flecha em seu Arco do Sul ―, apenas um corte... e você estará morto em poucas horas.

Engoli em seco. Eram tantos monstros... apenas um arranhão e... nem queria pensar.

O cerco se fechava ao nosso redor, as formigas estavam ficando impacientes e agressivas. Uma delas levantou seu machado de pedra e bradou em alta voz, o que me pareceu ser um grito de guerra. Um frio percorreu a minha espinha, quando todas as outras fizeram o mesmo e atacaram.

 Um frio percorreu a minha espinha, quando todas as outras fizeram o mesmo e atacaram

Oliver Turner e os caçadores de dragões - A chama sagradaLeia esta história GRATUITAMENTE!