2. Persistência

5.5K 396 13

When I look into your eyes
It's like watching the night sky
Or a beautiful sunrise
There's so much they hold


- Eu realmente acho que esse é um ótimo candidato - Lavínia insistiu, apontando para um dos livros que haviam nos dado na clinica, para escolha do doador de esperma.

Balancei a cabeça negativamente, virando a página do livro que eu analisava, lendo todos os perfis cuidadosamente.

Nós duas estávamos sentadas no chão da sala de sua casa. Lucas havia saído mais cedo do trabalho para opinar, caso precisássemos, na escolha. Mas ele estava apenas sentado no sofá, assistindo TV e nos olhando de rabo-de-olho. Eu já estava tomando medicamentos há algum tempo e esperando minha ovulação acontecer para poder fazer a inseminação artificial. E, de acordo com meus cálculos, faltava pouquíssimo tempo para que ovulasse e nós ainda não havíamos entrado em acordo sobre o doador de esperma.

- Ele é baixo demais. Max tinha 1,85 de altura. Esse só tem 1,65 - Eu disse.

Lavínia suspirou. Ser parecido com Max era o único requisito, mas era o que eu não abria mão. Todos os detalhes eram importantes para mim e, por ela, eu já tinha escolhido uns três caras diferentes, mas nenhum parecia suficientemente bom pra mim.

- São só vinte centímetros. - Ela reclamou.

Eu entendia que a escolha estava demorada e cansativa, mas eu queria poder me convencer que aquela criança era de Max e não de um cara qualquer.

- Eu tenho 1,85 - Lucas soltou.

Suspirei. O fato dele querer ser o doador já havia sido discutido e descartado, mas ele continuava a insistir. Ele queria ajudar de alguma forma e ele queria ser pai. Mas isso magoava Lavínia e eu não queria ferir os sentimentos dela.

- Seus cabelos são diferentes - Eu disse, como se isso desse fim a discussão.

Ouvi-o bufar, frustrado e voltar a ver TV. Lavínia começou a falar sobre um novo cara, que parecia ser muito inteligente, mas eu não estava prestando atenção. Meu olhar tinha parado em um perfil que só poderia ser perfeito. Joguei meu livro no colo dela, apontando para o perfil catalogado como MF30022001.

- Esse - Eu disse, apenas.

Ele tinha os olhos azuis do Max, o mesmo tipo e cor de cabelos e a altura era boa, parecia ter um bom físico e eu estava satisfeita. E, então, apenas cinco dias depois, nós partimos para fazer a fertilização.

- Você está nervosa? - Lavínia me perguntou. Nós descemos em frente a clinica e Lucas foi estacionar o carro.

Olhei ao meu redor. A verdade era que eu estava tremendo inteira. Nunca havia participado de uma gravidez, nem acompanhado uma e estava me enfiando nessa até o pescoço. Não sabia o que esperar, apenas tinha assistido alguns filmes sobre isso e não estava muito contente com a mudança.

- Claro que não - Menti. Sorri forçadamente para que ela acreditasse em mim. - Nasci pra isso. - Esfreguei minhas mãos para disfarçar que estavam tremendo, vendo Lucas se aproximar. - Vamos?

Lucas concordou com a cabeça e abriu a porta da clínica para gente.

- Eu não posso ver, estou nervosa - Essa foi a resposta de Lavínia quando eu lhe entreguei o teste de farmácia, duas semanas após a inseminação.

Eu ri e o som surpreendeu-me a mim mesma. De alguma forma, eu acreditava que estava grávida e a possibilidade já me dava um ar mais leve. Eu não contara a ninguém, mas estava assistindo aulas de tricô e havia tricotado metade de uma meia amarela para o meu bebê.

Preciosa [DEGUSTAÇÃO]Leia esta história GRATUITAMENTE!