55. Visões de Uma Nova Etapa

1K 32 4

Ficámos fechados naquele quarto, no nosso abraço quente. Não foi preciso mais nada. Não foi preciso mais prazer, mais comida, mais palavras. Era só eu e ela. E assim, adormecemos na nossa claridade, enquanto o mundo escurecia lá fora. Nunca tinha sentido isto. Este bem-estar em estar com alguém. Só com alguém. Michele bastava-me para ser feliz. Michele era a minha felicidade.

Vê-la assim, a dormir nos meus braços, numa respiração silenciosa... Tão quieta, tão imóvel, tão minha...

Minha.

Adormeci com esse pensamento e acordei com ela alarmada, retirando-se dos meus braços e levantando-se da cama, num instante.

- O que foi? O que se passa? - perguntei, ainda ensonado, esfregando os olhos.

Ela vasculhava as roupas de um modo furtivo:

- Esqueci-me que tinha combinado sair com a Dalila hoje... Já deve estar á minha espera. - respondeu, apressada.

Retirou-se para a casa-de-banho num passo acelerado, após vestir uma camisola cinzenta e uns jeans.

Eu levantei-me e fui buscar roupa para me vestir. Michele saíu da casa-de-banho perfeitamente arranjada, mas com o seu rosto tenso. Veio ter comigo e perguntou-me:

- Tens a certeza que não queres vir? 

- Tenho. - sorri-lhe.

- Está bem, então depois eu digo-te algo. - afirmou sorrindo, depositando um beijo rápido nos meus lábios, enquanto se dirigia para a porta.

Ela saiu e eu acabei de me preparar. 

Era hoje. 

Voltei ao centro de Frankfurt e finalizei o que tinha deixado por fazer no outro dia. Comi, percorri as ruas e voltei a observar a cidade. Era aqui. 

No final da tarde, dirigi-me para o hotel e deixei tudo preparado. Tomei banho e vesti o smoking que tinha alugado. Hoje ia ser especial.

Penteei-me e fiquei minutos a olhar para o meu reflexo. Não por vaidade, não porque sim... Sim, porque queria despedir-me. De mim. Do antigo eu.

Calcei-me e saí do hotel. Enviei uma mensagem a Michele.

*Michele, vem para o hotel. Vai estar uma limusina daqui a um hora à porta do hotel à tua espera. Entra nela. Não me faças esperar, vá, amo-te.*

Silenciei o telemóvel.

A hora aproximava-se e eu caminhava pelo passeio ansioso. Comprei flores a um homem que passava. Um ramo florido. Vermelho, branco e amarelo. Cores quentes e imaculadas como ela.

Olhei para o relógio... O tempo demorava tanto tempo a passar...

O céu escurecia. O Sol preparava-se para mergulhar nas profundezas da noite. O azul começou a ganhar tons alaranjados e o céu tornou-se numa obra de arte. As nuvens pareciam liláses e o ar pintava-se de rosa, azul marinho, amarelo e laranja...

A hora estava a chegar. Os ponteiros estavam prontos para se encontrar.

Uma limusina preta parou diante de mim. O motorista saiu para abrir a porta e... Michele apoiada na mão dele saiu do veículo. Michele não... A minha deusa. Minha.

Trazia o belo vestido que eu lhe tinha deixado em cima da cama. 

Assentava-lhe perfeitamente bem.

Corpete com decote em V, branco, rendilhado. A cauda, que se estendia até ao fim das suas longas pernas... Simples... Ligeiramente justa... 

Dirigi o meu olhar para o seu rosto. Tinha rímel aplicado nos olhos e uma ligeira sombra preta. Os seus lábios estavam simples, belos e prontos para serem beijados, devorados e amados pelos meus.

Amor, Sexo, Magia #Wattys2016Leia esta história GRATUITAMENTE!