Capítulo Quarenta e Dois

167 9 2
                                                  

Melissa.

*ligação

- Mãe ? Me desculpa estar deixando esse recado à essa hora. Eu sei que aí já é duas da manhã mas preciso conversa com você.

- Mel não deve ser nada demais.

- Até parece né, Gusta. Primeiro o Felippe age todo estranho, depois o Jonh me liga dizendo pra mim tomar cuidado. O que ta acontecendo aqui ?

- Não sabemos. - diz Vic toda desconfiada.

- Você sabe de alguma coisa né Vic ?

- Não sei de nada.

- Eu te conheço.

Eu insisti, insisti e insisti mas ela não abriu a boca. Depois do almoço e depois de ver que eu já estava melhor Gusta e Vic saíram do quarto me deixando sozinha.

Estava assistindo TV quando alguém bate na porta.

- Pois não ? - pergunto ao ver uma garota muito bonita e elegante. Ela era Loira.

- Como vai Melissa ? A quanto tempo não é ? - diz a Loira do corpão.

- Desculpas mas, eu te conheço ?

- Não se lembra de mim Melissa ?

- Não.

- Você esta se fazendo de tonta ? Sou eu a Fernanda. A qual destruiu sua amizade com o Felippe.

- Eu não me lembro. Tive uma perca de memória a pouco tempo.

- Aah ta explicado. - ela me empurra pro lado e entra - quartinho legal esse aqui.

- Pode sair do meu quarto ? Por favor.

- Bom ... vamos lá - diz ela se sentando na cama - Eu vou te falar de um jeito delicado Okay?

Balanço a cabeça atenta.

- Você irá descer comigo até um carro que à espera fora do hotel. Vai sem fazer escândalo ou ... - ela da uma pausa e retira um revolve de sua bolsa e aponta pra mim - Acho que você é bastante espertinha pra entender não é mesmo ?

- Pra onde vão me levar e porque ?

- Você irá entender tudo lá no carro. É só fazer o que eu mandar que vai ficar tudo bem. Por enquanto.

Ela vai até o banheiro e depois volta.

- E eu acho bom você levar algumas roupas. - ela olha ao redor - Vou te esperar no elevador.

O que ? Como assim ? O que está acontecendo aqui ?

Coloco uma regata listrada e um short preto, coloco meu Al Star vermelho e solto meu cabelo.

Arrumou minha mala, coloco algumas coisas úteis e vou até o elevador.

- Ta indo a onde Mel ? - pergunta Gusta segurando meu braço.

Queria gritar e dizer tudo pra ele mas quando olho por cima de seus ombros lá estava ela com a arma levemente apontada para Gusta bem atrás dele.

- Não é nada. Tchau.

Saiu correndo até o elevador.

- Muito bem Melissa.

Descemos o elevador em silêncio e antes que a porta do elevador abrisse.

- Ta avisada, não é ?

Só balanço a cabeça em confirmação.

- Boa tarde, eu queria entregar o quarto 327. Aqui está a chave e caso algumas pessoas chamadas: Felippe, Victoria ou Gustavo vier me procurar, pode entregar o cartão para eles ? Eles iram retirar alguns pertences meus.

- Claro Senhorita. Obrigado por visitar o nosso hotel.

Dou um sorriso com os labios fechado e vou até onde Fernanda estava.

- Tudo certo ?

- Sim.

Ela pega no meu braço e me empurra até um carro preto.
Abre a porta de trás e havia uma pessoa lá, uma pessoa que não me era estranha.

Leandro.

O que o Leandro ta fazendo ali ?

Ele faz parte!

Bem que o Jonh me avisou pra tomar cuidado com quem se aproximasse.

Entro em silêncio, sem dizer nada.

Ela pega minha mala e a guarda no porta malas.

Leandro pega em meus pulsos e os amarra. Ele faz esse processo em silêncio e sem olhar diretamente pra mim.

- Tudo certo aí a trás ?

- Tudo pronto. Podemos ir agora. -responde Leandro.

Fernanda liga o carro e logo começamos no distanciar do hotel.

- Acho que vocês me devem uma explicação para tudo isso. Não é mesmo ? - pergunto.

- Nada disso estaria acontecendo se seus país não tivessem mexido com a pessoa errada. - responde Fernanda ainda dirigindo e sem desviar o olhar da estrada.

- O que eles fizeram ?

- Você sempre achou que seus pais trabalhassem em um emprego certinho, um emprego normal. Mais não é nada disso. - ela me olha pelo espelho do retrovisor - seus país eram da máfia.

- Máfia ?

- Sim, seus pais não viajam para fazer trabalhos, quer dizer, pra fazer trabalhos sim mas ... trabalhos sujos. - ela para no sinal vermelho - Seus pais matavam gente que deviam grana para meu pai.

Aquilo foi como se tivessem jogado uma pedra sobre mim.

- Matavam ? Meus pais eram criminosos.

- Isso mesmo.

- Mas ... o que eu tenho haver com isso ?

- Bom querida ... seus pais, em mais um mandato de morte, roubaram mais de um bilhão de reais do meu pai e fugiram. Estamos a procura deles desde então mas descobrimos que seu pai morreu e sua mãe conseguiu fugir. - ela vira a esquina - e agora só sobrou você.

- Não tenho tanto dinheiro assim.

- Sabemos disso, por isso, irá pagar com a sua própria vida.

Oii

Ta, eu sei que ta pequeno. Mas é para não deixar desatualizado.

Bjjjs


Lembranças de Você.Onde as histórias ganham vida. Descobre agora