Capítulo 4 - Mari

36 3 0
                                                  

Não, eu não iria atender, mas soltei a lâmina. A pessoa continuava batendo insistentemente na porta. Tirei meu vestido e entrei no chuveiro de novo. Isso não podia ter acontecido. Mas que merda!
Quando saí do banho, já tinham parado de bater, mas minha filha estava chorando.
- Princesa, o que foi? - sentei em sua cama e acariciei seus cabelos.
- Sonho ruim mamãe. - ela fungava, mas o choro havia passado.
-O que foi o sonho?
- Tinha um moço mau. Ele batia na mamãe e falava que era o papai. - Puta merda. Esses sonhos eram o fim. Vez ou outra ela os tinha e era um sacrifício depois, porque ela sempre queria saber onde o pai estava. O que eu iria falar?
- Calma, filha. Eu to aqui. Foi só um pesadelo. Quer dormir na cama com a mamãe?
Ela mais que depressa pegou seu cobertor e desceu as escadinhas. Se deitou na minha cama e ficou me esperando. Puxei ela para pertinho de mim quando deitei. Ela dormiu feito um anjo, eu tive pensamentos nada celestes de um passado ruim.

Coincidências do DestinoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora