XIV - Matthew Burn

424 37 1

"O que era aquilo que se erguia em nossa frente?" foi o que pensei quando vi aquele ser imenso, era quase que impossível de decifrar o que ele era, de inicio pensei que fosse uma estátua, mas parecia muito com uma gárgula, porem uma gárgula super desenvolvida.

-O que fazemos agora?- Indagou Peter.

-Sinceramente eu não sei o que devemos fazer- Respondi.

-Não nos resta escolha alguma, a única coisa que podemos fazer é enfrentar esse monstro- Falou Evelyn.

-Mas olha o tamanho dele! E como fica a Coralinne?- Falou Lucca nervoso.

-O tamanho não importa, somos em maior número, e quanto a Coralinne, ela consegue se virar sozinha- Falei calmamente.

Logo após isso, o monstro começou a rugir, era um barulho ensurdecedor e estrondoso, partimos em direção a ele, Melissa achou melhor ir voando por cima, vi Peter fazer alguns movimento com as mãos, imediatamente rochas começaram a partir em direção ao monstro, as pedras acertaram bem no meio de sua testa.

Do outro lado da sala Evelyn parou fechou os olhos no meio de todo aquele caos, no momento entendi o que ela estava fazendo, então resolvi fazer o mesmo, parei e Fechei meus olhos, imaginei chamas brilhantes rodopiando por toda a sala e atingindo aquela criatura.

Poucos segundos após pensar em chamas, elas apareceram minhas maos, era possível sentir o seu calor aquecendo minha mão e um fogo percorrendo minhas veias, e eu amei aquela sensação.

Dos meus braços saíram chamas vermelhas como rosas, olhei para Evelyn, sim, nos fizemos exatamente a mesma coisa, porem com ela surgiu uma agua azul e cintilante, os dois elementos partiram em direção a monstro rapidamente, chegando perto dele, os dois se chocaram, assim criando uma neblina muito espessa, Evelyn olhou para mim e falou:

-Conseguimos! Como você sabia que eu estava pensando nisso?-

-Temos mais semelhanças do que você imagina! - Respondi com um riso em minha boca.

Ruídos diversos ecoavam por todo o salão, inclinei minha cabeça um pouco para cima e vi que Melissa estava aproveitando a situação para atacar a fera, ela parecia um jato, não sei se aquilo era possível, mas ela quebrou a barreira do som enquanto o atacava e por fim ele caiu no chão.

-Parem, parem agora, não o machuquem!- Gritou Melanie.

-Não filha, não se preocupe comigo, apenas mate todos eles- Falou o homem interrompendo Melanie.

-Filha? - Indagou Peter.

-Sim, Melanie é minha filha, agora mate-os!- Gritou a gárgula.

Melanie sacudiu suas maos e garras enormes apareceram nelas, ela começou a dar passos lento em direção a Lucca, mas antes que ela chegasse, Coralinne a atacou por trás com um golpe fatal de espada.

Imediatamente ela caiu no chão, lagrimas de dor escorriam dos seus enigmáticos olhos.

-Melanie, isso é verdade?- Perguntou Lucca enquanto a segurava no chão.

-Infelizmente sim, tudo isso é verdade- Respondeu.

-Por que mentiu para mim? Te conheço desde pequeno!-

-Eu não posso, não podia falar sobre isso, desde que nasci, minha missão de vida é mata-los, mas algo me impede de fazer isso-

-Então mude isso, quem escolhe o seu futuro é você-

-Agora não posso mais escolher-

-Mantenha a calma, tudo vai ficar bem-

-Eu... eu apenas queria que não fosse assim, não quero ser um monstro-

-Você não é um monstro!-

-Sim, eu sou e nada pode mudar isso. Eu posso ate ser um monstro mas meus sentimentos são reais, meu amor por você vai ser sempre real, esteja onde eu estiver-

-Não, não morra agora, você não pode me deixar sozinho-

-Você nunca estará sozinho, eu vou para sempre estar no seu coração, não vou?-

Lagrimas caíram do rosto de Lucca, molhando Melanie com elas. E ela então deu seu ultimo suspiro de vida, e partiu para sempre.

-Não deixarei que isso fique assim, você me paga Coralinne-

-Eu não tive culpa, era o melhor a ser feito- Respondeu Coralinne.

Um ar sombrio tomou o rosto de Lucca, que deu um grito estrondoso, cerrou seus punho e logo em seguida os abriu de novo, começou a pronunciar palavras em uma lingua estranha, um brilho branco e preto tomou conta do corpo sem vida de Melanie, faíscas dançavam sobre seu corpo, naquele momento viu-se um brilho ainda mais forte, e então o corpo de Melanie sumiu.

-Agora esta tudo feito- Falou Lucca.

-Não, minha filha não!-

-Cale a boca, você não tem autoridade nenhuma para falar, todo esse tempo você obrigou ela a ser o que ela não era e o que também não queria ser, você nunca foi e nem será o pai dela, nunca, seu monstro- Gritou Lucca.

Ele ergueu suas mãos em direção ao monstro, que começou a flutuar no ar "Agora chegou sua hora" falou Lucca, e disse calmamente "Dor", o monstro começou a gritar, aquele momento foi aterrorizante, e por fim falou "Morte" e a vida foi saindo lentamente do corpo do monstro enquanto sumia.

The KingdomsOnde as histórias ganham vida. Descobre agora