A Balada de Drakengarden

552 37 9

Da lava negra petrificada

Da cinza fumegante enlameada

Demônios alados e agitados

Surgiram soberanos alinhados

No Norte do mundo ao Grande Forjador

Suas asas eram fúria

Seu grunhido ensurdecedor

Deixando a Terra em lamúria

Ao som estridente do torpor

Dominaram o que havia lá

Os filhos dos que partiram

Com o poder da esfera levantaram

De muralha chamaram-na

Assim a contenda iniciou

Vazio e frio o mundo mudou

As centenas rolaram

Gelo transformado em água corrente

Castelos em vida levantaram

De sangue o céu tingiu o poente

Monstro em fim selado no vulcão

Sumidos na Terra os que restaram

Como lendas transformados em paixão

Escondidos após a muralha descansaram

Até o fim da História, como não

E assim findou silenciosa a balada



Os versos acima, encontrados nos textos antigos de uma época já esquecida, estavam prestes a ganhar vida novamente.


A continuação de O Globo da Morte vem no livro O Destino do Globo (não deixe de garantir o seu em www.eraperdida.com.br/destino).


A saga Era Perdida continua...


Ainda existem muitas lendas a serem contadas...


E até mesmo o transformado em fato está à mercê de ser mudado...

Era Perdida: O Globo da MorteLeia esta história GRATUITAMENTE!