Eu fiquei zonza.
Quem porcaria era Harry Styles?
Olhei pra Julie que sorriu pra mim. Provavelmente ela sabia quem ele era e isso iria facilitar nosso trabalho.

Levantei a mão.
-Sim, senhora Forbes?
-Qual a finalidade de todo esse trabalho? - eu questionei.
-Aptidão comunicativa, Senhorita Forbes.
-Mas eu achei que isso seria mais pra parte de Artes, não?
-O que você acha ou deixa de achar não me interessa. -ele foi curto e grosso.
A partir dali comecei a odiá-lo eternamente.
Me virei indignada pra Giih.
-Você consegue acreditar NISSO?
-não.. Eu não consigo . Mas mesmo que tentemos derrubar céu e mar pra que ele não passe esse trabalho, ele vai acabar passando de qualquer maneira.
Quando eu ia falar alguma coisa, o sinal tocou. Próxima aula. História.

Menos mal, eu pensei.
Eu só esperava que entrevistar esse cara não fosse uma perda de tempo, pelo menos.
-Você lembra se ele falou pra quando é pra entregar esse trabalho, Gih?
-Quarta feira da semana que vem.
-OK. Eu dígito e vc vai lá entrevistar esse tal de Harry Styles.

-Tudo bem. Vamos prestar atenção na aula agora. -Ela sussurrou se virando pra frente.

Quando tocou o sinal para irmos embora, era quase duas da tarde.
(Escolas norte americanas oferecem o almoço e portanto prolongamos nossa carga horaria escolar).
Guardei alguns livros no armário e fui embora sozinha porque Giih já havia ido embora com a irmã.

Cheguei em casa em poucos minutos.
Eu morava sozinha. Aos 17 morando sozinha, poderia ser tipo WOW, mas também tinha seu lado ruim.

Há meses meus pais não me visitam.
Falei com minha mãe ontem,então estou mais tranquila. As vezes, quando pode, a Giih vem dormir comigo.

Mas não é a mesma coisa. As vezes sinto falta de casa cheia, calor humano. Era bom, de fato realmente. Bom. Mas eu tinha que seguir meu destino. Eu sabia que não iria ficar nos braços de mamãe e papai para sempre.

Eu apenas me preparava para o inevitável.
Enfim, cheguei no meu apê, e fui direto pro meu quarto. Liguei pro disk pizza (apesar de já ter almoçado na escola) e me atenderam imediatamente:
-Quero uma pizza média metade calabresa e metade portuguesa.
- isso senhora?
-E uma coca cola.
-poderia nos dar o seu endereço.

Eu dei e poucos minutos depois a campainha tocou.
Peguei a pizza, dei o dinheiro ao carinha e Fechei a porta.

Assim que acabei de comer a pizza, eram quase quatro da tarde.
Pensei em pesquisar sobre o tal Harry, mas a preguiça foi maior e acabei dormindo.

Acordei com o telefone tocando.
-Alô?
-Lauren. É a Giiih.
-Eu sei que é você, bestona.
-Adivinha quem conseguiu marcar a entrevista com o Harry?
-Você!
-Sim. Euuuu! Não é legal?
-Oh se é...
-A entrevista será depois de amanhã. Eu entrevisto e você digita a entrevista tudo bem?
-Ótimo. -eu falei
-OK. Cambio desligo.

E desligou. Fiquei olhando pro teto por algum tempo.
E acabei dormindo ali mesmo. No pequeno sofá improvisado.

Acordei à meia noite.
Estava morrendo de fome, então peguei alguns biscoitos e refrigerante e voltei pro meu quarto.
Chequei meu celular, mas não havia nada de interessante. Nem ligações, ou torpedos ou whatsapp.

Mais uma vez a tentação de saber quem era esse Harry Styles me subiu à mente.
Mas com a mesma velocidade que surgiu, desapareceu.
Voltei a dormir.

Só acordei na manhã seguinte, com o alarme tocando Hot'n cold  da Katy Perry. Uma das minhas músicas favoritas.

50 Tons de Harry Styles Leia esta história GRATUITAMENTE!