Capítulo Um - Mudança

Começar do início
                                                  

- Mas eu gosto de dormir junto com a Megan.

Ela fez um biquinho, contrariada, algo tão infantil que Megan deixou escapar uma risada.

- Mas Megan já tem quatorze anos, filhota. Tá quase fazendo quinze! Tenho certeza que ela quer um pouquinho de privacidade, não?

Mina cruzou os bracinhos, soltando um "humpt". Megan achava legal a ideia de um quarto só para ela, claro, mas não fazia assim tanta questão depois de tudo. Além disso, estava tão acostumada a dividir o quarto com Mina que não achava que faria tanta diferença. Para tentar animar a irmã, disse:

- A gente pode bater nas paredes pra falar uma com a outra. Que nem nos filmes. Tipo um código Morse de irmãs. Vai ser legal, não acha?

Mina continuou de braços cruzados, mas Megan conseguiu roubar um sorriso da menina.

Eles continuaram andando pelo apartamento, conversando sobre ideias do que fazer com as paredes (Mina queria as suas coloridas, com passarinhos e borboletas) e onde colocar os móveis do apartamento onde moravam. Nem todos caberiam ali, de maneira que teriam que se livrar de algumas coisas, algo que evitavam fazer há anos. Apesar de o apartamento ser maior em número de cômodos, a sala e o quarto que pertenceria ao seu pai eram um pouco menores. Enquanto Mina estava ocupada examinando seu novo quarto e decidindo onde iriam morar seus bichinhos de pelúcia, Renato se aproximou de Megan.

- Eu posso mandar remover as telas do nosso antigo apartamento para colocar nessas janelas. Ou colocaremos novas.

- Alanis vai gostar disso - Megan respondeu, referindo-se à gata da família, que era mais de Mina do que de qualquer um deles. Ela sabia que não era exatamente isso que o pai queria dizer ou teria falado na frente de Mina, então esperou.

- Megan... Eu queria te pedir um favor, filha.

Ela observou o rosto do pai, esperando. Ele estava novamente pouco à vontade.

- Filha, eu preciso limpar as coisas da sua mãe lá do nosso antigo quarto. Evitei isso por quatro anos, mas agora não tem jeito. Sei que é um trabalho triste, mas só posso pedir a você.

Ele olhou para Mina, ainda distraída planejando seu novo quarto.

De certa maneira, Megan estava aliviada. Aquilo não era de todo um problema, apesar de ser mesmo triste. Pensava que o pai comentaria algo sobre a escola. Eles viviam reclamando sobre Megan: seu comportamento, suas roupas e sua aparência "fora do comum", como adorava frisar a coordenadora pedagógica. Megan a apelidou mentalmente de Playmobil, porque ela tinha um cabelo loiro cortado em cuia, o que deixava sua cabeça gigantesca. Às vezes ela colocava tanto gel que dava a impressão de que não era cabelo de verdade, mas sim uma peruca: a peruca do Playmobil. Megan várias vezes se sentiu tentada a puxá-la, só pra ver se ela saía e encaixava como o boneco. Ela chegou a contar o apelido para o pai, mas ele não aprovava - apesar de deixar escapar um sorriso quando a filha dizia isso; nem seu pai suportava a mulher. Quem adorava a piada era Daniel, seu melhor amigo. Ele costumava dizer que ela deveria espalhá-la, que faria sucesso na sala, mas Megan respondia que se os babacas da sua classe achassem algo que ela disse engraçado automaticamente isso perderia a graça.

A escola, a família, todos achavam Megan uma desajustada que só queria chamar atenção. Mina achava divertido o jeito da irmã, principalmente seu cabelo preto com mechas roxas - na verdade, tantas mechas que pouco se via o preto. Já o pai não reclamava; Renato fazia o que podia para ser um bom pai, o que deveria ser difícil (ele vivia lendo livros para pais solteiros), e dava espaço para as filhas serem o que tivessem vontade, desde que isso não as prejudicasse. Ele costumava dizer que se a tintura não penetrasse no cérebro e interferisse nas suas notas, Megan poderia continuar pintando os cabelos da cor que quisesse, até de laranja ou verde limão. É claro que ele ouvia muito da família por isso, principalmente da vovó Helena, sua mãe. Ela gostava de dizer que Megan parecia uma "árvore de Natal" e que "viraria lésbica se Renato não desse um jeito para que fosse mais feminina".

InversoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora