4

686 15 0
                                                  

Eu estava maluco sem o computador e os jogos. Voltei a procurar o Caniço. Fui à casa dele e expliquei a situação. Como sempre, ele nem sequer me olhou. Ficou só ouvindo, mas aquilo era tudo de que precisava.
- Toma aí! - falou.
- O que é isso ? - indaguei. Era um back do tamanho do mundo. Fumei-o todo, desesperadamente. Foi aí que o pai do Caniço apareceu.
- E aí, molecada! Tudo em paz ?
- O Caco ta com uns grilos, mas já vai passar. - explicou o Caniço, novamente sem alterar a voz e sem olhar para ninguém.
- Ah, isso é assim mesmo, nessa idade temos uns grilos que depois passam. Fique à vontade aí, Caco. Você é sempre bem-vindo! - e desapareceu do jeito que apareceu.
Não teve jeito. Voltei para casa e eu passava mal. Não conseguia dormir. Só pensava no computador e nos jogos. Uma aflição dos infernos! Assaltava a geladeira a toda hora. Eu precisava ter alguma coisa na boca para mastigar. Não, eu tinha de engolir alguma coisa. Estava empanturrado, mas precisava comer, comer, comer. Meu corpo inteiro comichava.
Os dias seguiram assim. Minha angústia não tinha fim. Na escola eu não prestava atenção em nada. Bem, antes eu também já não conseguia me concentrar, mas agora não ouvia nenhuma palavra do que os professores falavam. Fitava a lousa, mas não via nada. Nem as constantes chacotas que os colegas faziam a meu respeito me incomodavam. Aquilo não era nada comparado à falta que eu estava sentido. Meus pensamentos não saíam do computador e dos jogos.
Um dia eu estava tão maluco que peguei uma bike que tinha lá casa, enchi os pneus em um posto que ficava perto e saí sem rumo. Andei muito. Andei, andei, andei! Quando cheguei de volta estava moído, mas consegui dormir. Foi um alívio!
Então comecei alternar: ou era um back do Caniço ou andar de bike até ficar quebrado. Assim comecei a criar gosto em andar de bike. Então fiz um rolo e comprei uma legal. Dei um relógio que eu tinha e a bicicleta usada, e estava montado. Se eu tivesse com moral, meus pais teriam me dado uma bacana, porém, como minha moral estava prejudicada, tive de me virar.

*
O negócio foi ficando bruto. Troquei a compulsão do computador pela bike. Eu andava alucinadamente. Ia à escola de bike. Andava a cidade inteira nela! Parecia que minha ansiedade estava menor. Até nas aulas consegui começar a prestar atenção. Quer dizer, mais ou menos. Ah, está legal, deixe-me ser generoso comigo mesmo: melhorou, sim!
- Olha só, o Caco tá emagrecendo, hein!
O que foi aquilo? Eu nunca tinha ouvido algo assim. Claro, foi em forma de zombaria, mas e daí?
- Tá ficando fortinho, Caco!
Eu não precisava de incentivo maior, e comecei a me olhar no espelho. Comentei com o Caniço e ele sugeriu:
- Procura uma academia que você vai ficar o bicho...
- O quê? Academia? Eu?
Mas fui. Fui a uma em que tinha um pessoal que praticava muay thai e jiu-jítsu. Então fiz amizade com o David, um cara cheio de tatuagens, alto, forte, com uma aparência feliz, ele logo me ofereu suplementos e coisinhas. Claro que aceitei. Disse que iria trocar a massa gorda por músculos. Quase não acreditei, mas vi aí minha grande chance.
A coisa boa é que o David colocou como condição que eu seguisse bem na escola. Cara, eu não podia perder essa chance. Então troquei de lugar na sala de aula e comecei a responder às questões das provas. Minhas notas melhoraram, até porque, do contrário, o David cairia fora de me fazer ficar forte. Ele sempre perguntava como eu ia em relação as notas. Pelos seus olhos via bondade!
Comecei a frequentar a academia alucinadamente e continuei andando de bike. Ia com ela a todos os lugares. Claro, troquei-as muitas vezes, pois eu as detonava.
Depois de mais um ano, fiquei diferente, fiquei muito forte! Ah, minha timidez também estava sumindo. E esta teve um marco!
Comecei a me sentir, ficar com raiva no meu olhar e cacei briga com dois meninos que sempre zuaram de mim antes da minha transformação, consegui a briga, percebi que dava conta deles, me senti o tal, e percebi que as coisas iam ser diferentes a partir de agora, principalmente o que iria acontecer comigo, nem imaginava!


CacoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora