Capítulo 5 - Meu chefe...

1.5K 160 22

Selena a esperava do lado de fora da sala de Alex e desta vez a olhou com raiva, mas a tratou educadamente.

- Me acompanhe, por favor.

Jack se assustou com a mudança no tratamento, mas tudo bem. Quem não mudaria depois de um "sacode" daqueles...

- Esta será sua mesa, é bem perto da sala do Alexandre. Os ramais estão nesta lista com os nomes e lugares, é fácil de decorá-los.

- Entendi, obrigada.

- Alguns lembretes: Alexandre demitiu várias de suas secretárias, nenhuma delas era inteligente e rápida o suficiente. Não quero te assustar - Mas já estava a assustando... -, mas você não pode perguntar demais, ser lerda, esperar por ordens que não precisam ser dadas... esses tipos de atitudes bobas. Tem que ter atitude, dar sua opinião quando ele pedir e não pode em hipótese alguma ser preguiçosa e lenta. Entendeu?

Engoliu em seco.

- Sim.

- Ah, e nunca, nunca se atrase.

- Entendido.

- Qualquer dúvida não hesite em perguntar.

Selena fez uma cara de poucos amigos e saiu, enquanto Jack tentava entender qual era o problema dessa moça. Aliás, precisaria pedir ajuda para Clair quando chegasse, precisaria dela para fazer maquiagem e aprender como se vestir formalmente, já que seu ambiente de trabalho lhe exigia isso.

De repente, seu telefone toca:

- Pois não? - Ela disse, sem saber como atender aquela porcaria.

- Srtª Boone, foi bem instruída por Selena?

- Sim, senhor.

- Ótimo. Venha até aqui, por favor.

- Sim, senhor.

Ela desligou, pegou um bloquinho de papel e caneta em cima da mesa e seguiu rapidamente para a sala de Alex. Deu duas batidas leves e entrou, fechou a porta e se posicionou em frente a mesa dele. Por distração ele mal a viu entrar e se surpreendeu com a rapidez de Jaqueline.

Sem sorrir por mais que quisesse, Alex se levantou e abotoou seu paletó cinza que combinava com a saia dela e disse:

- Vamos, vou lhe mostrar a empresa.

Jaqueline ficou confusa e perguntou:

- Posso fazer uma pergunta, senhor?

- Claro.

- Por que está se incomodando em fazer isso, ao passo que a senhorita Selena poderia o fazer? - Jack disse quase se encolhendo dentro da roupa de vergonha.

Alex ficou pensativo, nem ele sabia a resposta para essa pergunta estranha.

- Bom... - Ele começou a falar. -... Eu quero fazê-lo pessoalmente, afinal, você será minha secretária, me sinto no dever.

Jack concordou com a cabeça.

- Obrigada pela resposta. Então, vamos. - Ela disse, indo na frente para abrir a porta.

Alex se sentiu estranho, ele quem deveria abrir a porta para a moça, não o contrário. Se sentiu o oposto do cavalheiro educado que sua mãe criou. Porém, fez questão de acompanhá-la e lhe explicar tudo o que a empresa fazia, dos projetos futuros e das viagens que estavam programadas para o mês seguinte. No fim, Jack estava feliz e triste, feliz por estar trabalhando e triste por seus pés doerem tanto.

Alex foi para seu escritório e antes deixou Jaqueline em sua sala. Ela mal se sentou em sua nova cadeira com sua moderna e elegante mesa de vidro quando alguém aparece do nada em sua porta, a assustando. Ele a olhou, franziu o cenho e falou em tom baixo:

- Bom dia.

Jack engoliu em seco, afinal, era a primeira vez que falava com o patrão, o Sr. Kaliman.

- Bom dia, sr. Kaliman.

- É a nova secretária do Alexandre?

- Sim, senhor. - ela respondeu, nervosa.

Ele a olhou, franziu o cenho e suspirou.

- Espero que desta vez ele não precise trocar...

- Com certeza não vai senhor... quero dizer, levo a sério meu trabalho e creio que tenho muito o que aprender aqui!

Ele a olhou novamente com uma sobrancelha arqueada, murmurou algo que Jack não entendeu e falou:

- Assim espero. Bom, diga a Alexandre que estou aqui.

- Sim, senhor.

Então, Jack ligou para Alex, que pediu para que ela levasse seu pai até o escritório. Alex também pediu para que Jack levasse alguma coisa além de água, algo forte e sem álcool para os dois tomarem.

Rapidamente, Jack correu até a copa e pegou a bandeja com café, chá, caneca e uns aperitivos. Voltou pelo corredor tentando equilibrar tudo, bateu duas vezes na porta, esperou dois segundos e entrou, dizendo:

- Com licença.

Ele não a olhou na hora, estava tentando se concentrar nos contratos e tentando imaginar o que seu pai queria conversar.  Jack se aproximou da mesa e disse, um pouco intimidada:

- Café?

- Não, chá.

Estava nervosa em seu primeiro dia e passando por um baita teste, conhecendo os dois homens da família Kaliman que era seus chefes e donos da sua revista favorita. Por mais que estivesse explodindo por dentro de alegria, não podia negar que estava com o pé atrás, sentia certo receio em trabalhar para o filho de um dos maiores publicitários e empresários conhecidos mundialmente.

- Mais alguma coisa, senhor Alexandre?

- Não, obrigado.

Como Selena Fallon já havia lhe dito, Alex não gostava de lerdeza, preguiça e muito menos conversa fiada. Então, após servir o chá para ambos, Jack se recompôs e saiu rapidamente da sala, fechando a porta gentilmente e sem fazer barulho algum.

Alex olhou para ela com atraso, viu apenas sua mão desaparecer enquanto a porta se fechava. E seus olhos permaneceram ali. Afinal, parecia que finalmente havia acertado na secretária perfeita.

Calma Alex, ele pensa, é só o primeiro dia!

Rosas de Amor para Jack (Completa)Leia esta história GRATUITAMENTE!