notas: uke?!

❀❀❀❀❀❀

Ed's POV

"Por favor, Sam!" bufei. Já não aguentava mais ter que esperar Sam sair do banheiro para poder fazer minha higiene matinal. Meus dentes já estavam criando cáries.

"Desculpe Ed, mas... Eu não posso abrir!" Sam gritou. "É complicado."

"Samuel Smith, eu não acredito que o panetone ficou preso no ralo... De novo!" revirei os olhos.

"Não, não é isso... uh..." ele gemia baixinho. "A-ai..."

"Sam, o que está acontecendo? Vou buscar as chaves para abrir esse banheiro!"

Ouvi Sam gritar para tentar me impedir, sem sucesso. Os gritos ainda continuavam enquanto pegava a chave no meu quarto e corria de volta até a porta do banheiro.

"SAMUEL SHEERAN-SMITH COMO VOU EXPLICAR ISSO PARA AS CRIANÇAS?" Eu gritei ouvindo pézinhos correndo pela casa.

"Desculpa Ed, foi o strogonoff que você fez no almoço. Mas é só dar descarga, olha!"

"NÃ-" Era tarde demais, Sam já havia puxado o fio da descarga e aos poucos toda a merda feita por ele começou a vir à tona. "SAAAAM CORRE!"

"ED! NÃO CONSIGO ME MEXER!!" Sam estava afundando no cocô, a única parte que estava sobrando era a sua cabeça gorda.

"CRIANÇAS, FUJAM!" Peguei Samantha - a minha filha bebê - no colo e empurrei Edmundo e Edgar pelas escadas.

"DADDY! O QUE ESTÁ ACONTECENDO? POR QUE O PAPAI TÁ MARROM?" Edgar, o mais velho, perguntou.

"O PAPAI FEZ MERDA MAS DAQUI A POUCO TUDO FICA BEM!" Corremos para baixo da escada e ficamos lá esperando até parar de chover cocô. Nossas caras já estavam completamente marrons e o cabelo ruivo de Samantha, havia ficado castanho.

"Pa-pa! Bicho pa-pão!" Samantha tentava se expressar com as poucas palavras de seu vocabulário. Ela apontava o dedo para trás de mim e ao que eu me virei, enxerguei um monstro de cocô.

"AAAAAAAAAAH!!!!!" Edmundo gritou apavorado com a figura em sua frente. Ela tentava falar porém saia mais cocô de sua boca.

"S-sam? É você?!" Eu perguntei, então o monstro se jogou no chão explodindo todas as ondas de cocô, e foi aí que eu vi, os olhos azuis-oceano e a banha mais sexy que já vi na minha vida. "SAM! VOCÊ ESTÁ VIVO!!" Eu disse, mas logo depois da minha fala, Sam pareceu não aguentar mais e sua cabeça foi de encontro ao chão. "Sam?!" Me ajoelhei ao lado dele e comecei a tirar o cocô de seu corpo. Os olhos de Sam estavam abertos, mas não havia mais brilho em seus olhos azuis. "Sam, p-por favor! FIQUE COMIGO!" Incontroláveis lágrimas desciam pelo meu rosto, eu não podia ficar sem ele. Eu queria o beijar de barriga mais e mais vezes. Eu não podia lidar com isso.

Chamei uma ambulância, mas no fundo eu sabia que era tarde demais. Os médicos tentaram o reanimar, porém não tiveram sucesso. Era isso. O amor da minha vida estava morto.

-x-

nota (no meio do capitulo sim): para quem gosta de spn...

O velório de Sam seria em dois dias. Eu estava completamente arruinado. As crianças sentiam falta do mais rechonchudo.

Eu só consigo pensar em Sam, nas coisas que ele fazia, tudo o que ele mais gostava. As bananas, o pudim, o bolo de três andares, as batatas fritas, o sorvete de abóbora. Smith estava até mesmo em meus sonhos. As lágrimas eram incontroláveis, a saudade que eu sentia não tinha limites.

My Sweet Whale × Ed&Sam AU☽Leia esta história GRATUITAMENTE!