Capítulo 2 - Wicked Game

1.8K 168 47


– Ele cantou o quê? – Disse Clair, de boca aberta.

– É, ele cantou rock... romântica até.

– Como sabe que é romântica?

– Por que conheci a letra. – Jack respondeu, mostrando para Clair a música no celular.

Clair quase apertou as têmporas, mas Jack saberia que ela estava nervosa. Clair nunca gostou de JP, aliás, odiava-o só de escutar sua voz.

– Romântica só a música. Seu namorado é outra coisa.

– Namoramos faz 2 meses...

– Vocês terminaram!

– É, mas... Ele...

– Ele é mulherengo! Vai ver ficou até com a Dani e você nem sabe...

Jack riu alto.

– Minha irmã não aparece lá em casa há um bom tempo... Isso seria impossível.

Clair riu, obvio que estava brincando, mas o fato de JP ser um mulherengo era verdade.

– O caráter desse cara me incomoda.

Jack sorriu sarcasticamente.

– E como você sabe alguma coisa sobre o caráter dele, Clair?

– Olha ai! Olha só o que um... Homem metido a gostosão faz contigo!

Jack sorria agora por sorrir.

– Nada!

– Olhe duas vezes!

– Nem vem!

– Cala boca.

Clair resmungou alguma coisa.

– Tá, esquece isso. Me conta como foi.

Jack sorriu.

– Foi assim...

NO DIA ANTERIOR...

Jack havia acabado de tomar banho. Estava exausta. Fora um dia de provas, seminários, chatice dos professores e Jack só queria saber de dormir. Eram quase dez horas da noite, ela estava puxando a colcha para seu pescoço, quando escutou um barulho. Vinha da janela, alguém jogava pedras.

Nervosa, pensando ser os garotos bagunceiros da rua, Jack vai até a janela e quando ia gritar, se assusta, quase caindo de lá de cima. Era JP, com uma garrafa de whisky na mão e um violão na outra mão.

- JP?

- Oh... Jaqueline. Oh, Jaqueline, eu vim me... – Ele começou a rir do nada.

Jack também começou a rir, mas JP parou de rir abruptamente e disse... Disse não, gritou:

- Não ria de mim não, oh... Oh Jaqueline!

Jack se segurou para não gargalhar.

- Vou cantar pra você...

Ele deu um enorme gole na bebida, colocou-a com muito custo no chão, ajeitou o violão que estava do lado contrário. JP começou a rir quando percebeu isso. Desvirou o violão e, de um jeito mais desajeitado possível, começou a "desmelodiar" a melodia. Ele praticamente acabou com a música... Tocando e cantando.

-... Não... Não!

Jack sorriu.

- Não o quê, JP?

Ele estava tão concentrado em "cantar" (ou tentar cantar), que nem prestou atenção em Jack.

- Não... Eu não vou...

Rosas de Amor para Jack (Completa)Leia esta história GRATUITAMENTE!