Arcanjo Gabriel

1.4K 71 11

Ela era linda, a mais linda criatura já criada pelo Criador, estava ajoelhada aos pés de seu superior, quem visse a cena a acharia impotente, uma serviçal, criada para servir e ela era exatamente aquilo tudo, mas olhar para os olhos verdes intensos te faria ter certeza que ela tinha algum poder, algo naqueles olhos exalava superioridade, mas aquilo era um assunto proibido, algo que só os Grandes conheciam e o próprio Criador, ninguém sabia como ela havia chego ali, como fora criada e para que, nem mesmo ela, mas não questionava, não era de sua casta questionar, ela cumpriria qualquer ordem sem questionar, abaixaria sua cabeça sempre que fora mandado, ajoelharia aos pés de seus superiores sempre que estivesse em suas presenças, mesmo que algo dentro dela gritasse dizendo que eles que tinham que se ajoelhar, mesmo que algo dentro dela dissesse que ela deveria reinar, mas apenas reprimia aquilo.

Estava lá para servir.

Apenas isso.

_Querubim.

O Arcanjo a sua frente trovejou. Sim. Trovejou. Se pudesse escutar sua voz quando ele estava em sua forma celeste, entenderia a colocação. Sua voz era seguida de trovões. Era como presenciar uma tempestade sem abrigo.

O ser a sua frente tinha facilmente uns cinco metros, mais brilhante que o sol, seria impossível olhar para ele se fosse um simples humano. Mas ela não era.

_Sim, Arcanjo.

A jovem tinha a voz grave. A voz de um comandante.

_Quero que desça e proteja minha filha.

A jovem tinha prometido nunca mais procurar pela filha do Arcanjo, tinha prometido deixar que a garota tivesse uma vida normal no Éden.

Mas ela não questionava.

Nunca.

Mas era a Arcanjo, a única pessoa que a fez descumprir as ordens de Seu Pai.

_Senhor...

Houve um clarão e o ser a sua frente se transformou em um homem, ela soube disso, quando avistou pés a sua frente. Ele aparentava ter 40 anos, talvez menos, barba a ser feita e sinal de músculos na camisa social que usava, tinha calça da mesma cor e pés descalços.

_Olhe para mim, Soldado.

O homem disse, sua voz calma acompanhada de trovões.

A jovem levantou a cabeça, encarando os olhos castanhos a sua frente, de um castanho vivo quase tão lindo quanto os da Arcanjo.

_Não questione. Nunca questione.

Ele disse calmo, fazendo os trovões presentes em sua voz soarem baixo.

_Sim, senhor.

Que a Arcanjo a desculpasse, mas ela não podia questionar, não queria correr o risco de perder suas asas. Belas asas, uma misturas de penas brancas e negras. Era chamada pelas costas de "Herdeira de Lúcifer", devido as suas asas serem parecidas com a do Querubim quando virou o Senhor das Trevas e porque ela virou a líder de sua casta, assim como Lucífer era. Ela não ganhou um lugar entre os Grandes, como o antigo líder tinha, a cadeira do mesmo continuava vazia até hoje, como se esperasse seu retorno. Mas na sua cabeça, aquela cadeira era sua por direito, na sua cabeça, tudo era dela por direito, mas não externava esses pensamentos -nem sabia porque os tinha-, os externava apenas para a Arcanjo, quando o que havia entre elas era amor, quando a Arcanjo ainda estava lá por ela, mas tudo acabou quando foi pedido que a deixasse em paz, quando a Arcanjo foi embora e a abandonou sem explicar o porquê.

O Arcanjo lhe deus as costas, fazendo um sinal com a mão para que a Querubim levantasse.

_Minha filha não me escuta, Querubim, você era a única pessoa a quem ela escutava, mas veja só, nem a você ela escuta mais.

As palavras doeram. Não deveria, ela sabia que ele não falou para atingi-la, mas atingiu.

_Senhor, poderia me dizer o porque dela ter descido? Não me foi explicado.

O arcanjo se virou para ela e sorriu triste, todos sabiam o quanto Gabriel amava sua filha.

_Não sei, Querubim, não foi me dado o direito de saber o que Nosso Pai conversou com minha filha. Ela apenas foi levada a sala do Trono Divino e depois que voltou, parecia... como os humanos dizem? Transtornada?

_Talvez uma missão, Senhor.

A Querubim disse querendo convencer a si mesma de que aquilo era verdade, de que foi apenas uma missão e que ela estaria de volta quando a cumprisse.

_Talvez, Lauren, talvez. Mas então porque ela estaria andando com a General de Lúcifer?

General de Lúcifer.

A arcanjo era rebelde, mas jamais se envolveria com um abutre, jamais andaria com um demônio. Ela não era assim, era boa, tinha um coração puro, Lauren sabia que ser um anjo não fazia ninguém bom, Lúcifer está aí para provar isso, mas ela sabia que a Arcanjo tinha um coração puro, que por trás de toda aquela atitude prepotente, existia alguém maravilhosa. A informação estava errada.

Tinha que estar.

_Com certeza ela tem um motivo, senhor, com certeza ou a informação foi dada errada.

O Arcanjo sorriu.

_Você confia muito em minha filha, estou certo, Querubim?

Lauren sorriu, sendo levada a um passado onde cresceu com a Arcanjo a defendendo das outras crianças anjos por ter asas iguais as do antigo príncipe da casta, foi levada a um passado que a Arcanjo se ofereceu para uma missão em seu lugar porque Lauren não estava pronta, cuja qual a Arcanjo quase teve suas asas arrancadas por ter desafiado Miguel, ela nunca viu a áurea da Arcanjo tão forte como naquele dia, ela se impôs sobre Os Três Grandes e se não fosse a intervenção Divina, provavelmente ela teria destronado os três, tudo por Lauren.

_Confio minha existência a ela, Senhor.

Disse convicta, não deixando brecha para o Arcanjo duvidar.

_Camila sempre se importou com você e agradeço por se importar com ela também.

O Arcanjo não disse, mas ele também confiava a vida da filha a Querubim. Sabia que Lauren morreria por Camila se fosse preciso e sabia que apesar da Arcanjo ter ido embora, ela também morreria 'por Lauren. Pertenciam a castas rivais, era uma rivalidade saudável, duas castas guerreiras, mas Arcanjos mandavam, Querubins obedeciam. Lauren e Camila eram a ponte entre as duas castas. A união.

Até aquela reunião com O Pai De Seu Pai, como a mesma chamava, naquele dia tudo mudou e não houve uma explicação, apenas uma desculpa de que precisava de uma vida normal. Uma estúpida desculpa.

_Preciso que a proteja, Lauren, dela mesma se for preciso.

Lauren assentiu.

_Darei minha vida por ela se for preciso.

Ela não precisava dizer, o Arcanjo sabia daquilo.

_E irá tirar a dela se preciso for.

O Arcanjo a encarou, havia dor em seus olhos, era sua única filha, mas ele a amava e se ela estivesse se unindo a Lúcifer, faria o possível para salva-la, mesmo que isso significasse tirar sua vida.

Lauren engoliu em seco, seu coração batendo freneticamente em seu peito.

Assentiu.

Aquilo era um acordo e um Querubim jamais quebra sua palavra.

Se fosse preciso, mataria Camila.

ArcanjoLeia esta história GRATUITAMENTE!