Desculpas

1.9K 136 0

Já sentiu a sensação de estar perdida, e não lembrar-se de absolutamente nada? Bem vindo a minha realidade, Não sei há quanto tempo estou aqui, mas acho que faz muito tempo, meus braços tem alguns fios, e há um tubo em meu nariz, estou em um quarto verde claro, onde ao lado da minha “cama” tem uma enorme janela com vista para um enorme jardim, há uma televisão e duas portas. Provavelmente uma leva ao banheiro e a outra a saída do quarto, virei minha cabeça devagar para a janela e fitei as folhas caindo de um arvore que tinha ali e vi alguns pássaros voando, ouvi um ruído e virei o rosto me deparando com um homem, bem vestido com um jaleco branco e uma prancheta na mão, o mesmo me fitou e sorriu, fechou a porta e caminhou até meu lado.

Doutor: Que bom que acordou senhorita Rouch, sou Caíque seu médico.

Rafa: Bom dia doutor

Caíque: Boa tarde senhorita –riu – já são duas da tarde

Rafa: nossa – disse assustada – a quanto tempo estou aqui, e como vim parar aqui? – disse assustada

Caíque: Você sofreu um acidente gravíssimo e ficou em coma por três meses

Rafa: três meses? - o olhei

Caíque: Sim, lembra-se do que aconteceu no dia do acidente?

Rafa: eu lembro que eu estava na piscina conversando com o Aphonso e fui para o quarto, depois disso nada me vem à mente. Como foi o acidente?

Caíque: Eu não sei dizer, a única coisa que sei é que seu namorado há encontrou na mata, no meio de uma tempestade.

Rafa: namorado? – o olhei confusa – eu não tenho namorado

Caíque: Não? Oh desculpe, pensei que o garoto que está lá fora era seu namorado, ele não saiu desse hospital durante todo esse tempo.

Rafa: Quem está ai?

Caíque: desculpe, mas não sei o nome dele – sorriu de lado – irei mandar uma enfermeira vim ajuda-la com o banho e faremos alguns exames.

Rafa: doutor?

Caíque: sim?

Rafa: E minha mãe?

Caíque: Está lá fora – sorriu e saiu

Fiquei em silêncio esperando a tal enfermeira e pensando em quem seria o garoto que estava do lado de fora do quarto a minha espera, a enfermeira chegou tirou aqueles fios e tubos e me ajudou a ir ao banheiro, eu estava com a perna e minha cabeça enfaixada, e meu braço estava engessado. A enfermeira me ajudou em tudo, após o banho vestir uma roupa confortável ela  voltou a enfaixar  minha perna e minha cabeça, colocou o soro em meu braço e saiu, me sentei na cama com cuidado e fiquei fitando o chão, vi a porta se abrir, levantei a cabeça e pude ver minha mãe abri um sorriso e a mesma veio até mim, me abraçando

Rafa: ai mãe – reclamei

Mãe: desculpa filha – riu – sentir saudades, oh como foi difícil ficar sem você esses meses.

Rafa: conta-me o que aconteceu?

Mãe: Eu esperava que você me contasse o que aconteceu – riu – estava viajando quando sua diretora me liga dizendo que você sofreu um acidente grave

Rafa: eu não lembro – disse confusa

Mãe: O médico disse que é normal, você ficou em coma por três meses, e levou uma pancada fortíssima na cabeça, com o tempo você se lembra – sorri

Cinco DiasLeia esta história GRATUITAMENTE!