Capítulo 1 // 1ª Carta

7.8K 744 126

Olhei janela afora. O dia ainda estava no ápice e longe de começar a escurecer. Como era o dia do meu prazo, eu estava livre para aproveitar e aceitar a notícia - geralmente garotas que esperam muito um tempo curto e recebem um tempo longo precisa deste espaço para se acalmarem e aceitarem que não há como mudar a previsão de uma vidente. Os garotos já era diferente; eles geralmente não se preocupavam com os prazos, já que recebiam mais cedo que nós - um ano -, assim, no mesmo dia que recebiam seus relógios, deviam voltar ao trabalho com a carta de dispensa assinada pelo seu vidente.

A ponta da minha caneta batia na folha azul. Como deveria chamá-lo? Alma gêmea? Destino? Quem sabe... Amor?

 "Olá, Amor,

 Meu nome é Alyna Becker. Tenho 21 anos. Completei-os na semana passada, dia 05 de Dezembro. Acabei de receber a notícia de que irei encontrar com você daqui a um ano. Se quer saber, esse foi o melhor presente de aniversário atrasado que recebi até hoje. Meus pais estão no andar de baixo conversando sobre meu futuro com você, questionando quem poderá ser você. Honestamente, também estou pensando sobre isso. Penso desde quando aprendi sobre os prazos na escola, lá no fundamental. Peço desculpas por parecer tão esquisita; não é normal uma pessoa escrever uma carta por mês a alguém que não conhece, contudo, o fato de saber que você existe e virá até mim em um ano me faz sentir que devo começar a me apresentar devidamente.

 Sou uma pessoa bastante tímida e dependente, por isso, espero que você me ame e cuide de mim durante todo o tempo que estivermos juntos em vida. Tenho certeza que logo que nos encontrarmos você irá observar isso; apenas quero confirmar que você está certo. Eu também trabalho em uma creche. Amo crianças. São pessoinhas vivazes e inocentes. Minha mãe diz que por eu ser bastante dependente das pessoas com quem convivo, tenho essa vontade de sentir a dependência de alguém por mim.

 Eu tenho uma irmã mais velha, a Cyn. Ela é o oposto de mim. É alegre, divertida, espontânea. O prazo dela foi de oito anos, mas ela não pareceu tão abalada quanto meus pais quando soube. Cinco anos já se passaram e ela continua sendo feliz; é pesquisadora na universidade. Passa mais tempo lá do que aqui em casa, mas concorda em almoçar com a gente todos os dias. Tenho certeza de que ela será uma esposa bem ocupada; espero que o destinado dela seja bastante caseiro para conseguir cuidar dela.

 Amor, você está preparado para mim, não está? Ah! Escolhi te chamar assim porque acredito que seja um apelido bom para alguém que deverá receber esse sentimento. Assim, sinto que se começar a te chamar assim, você poderá sentir, onde quer que esteja, o meu amor por você. 

 Onde você está agora? Quando ler essa carta, irá se lembrar?

 Gostaria de dizer para você não se preocupar em ser destinado a uma pessoa tão jovem como eu. Tenho treinado minha vida inteira para ser a esposa perfeita, por isso, saberei cozinhar suas refeições e lavar suas roupas. Manterei a casa sempre limpa e não irei lhe perturbar perguntando a razão de voltar tão tarde da rua; honestamente, espero que não faça isso com frequência.

 Já se pegou imaginando nossa vida? Bem, eu já. Imagino uma vida calma, com uma casa mediana, pois é muito difícil de limpar as grandes e não quero ter de lhe pedir para contratar uma funcionária da limpeza. Quero conseguir fazer tudo com minhas próprias mãos. Um cachorro? Gato? Se você não for alérgico, claro.

 Um jardim bonito para podermos acordar e nos deparar com as mais diversas cores e odores. Uma casa perfumada por elas nunca foi uma má ideia; aqui em casa, minha mãe permite que eu cuide de uma flor em meu quarto, porque ela não gosta das abelhas que se aproximam dos pólens doces. Não preciso dizer que meu quarto é o ambiente mais perfumado da casa, não é? Tomara que você não se importe.

 Você dirige? Tem um carro? Eu gosto de andar a pé; sentada na praça da cidade, percebi que é muito melhor observar os casais andando a pé, de mãos dadas ou abraços feitos, sorrindo e conversando sobre assuntos pessoais, do que vê-los dentro de seus carros indo a um encontro, separados ou, quando juntos, tomados pelo som da rádio e sem nenhum contato. Mesmo nos dias de chuva, é muito bonito ver como o homem tenta proteger a mulher das gotas, se remetendo a ter seu ombro todo encharcado.

 Estou falando todas essas besteiras e sequer sei se você já pensou em alguma delas. Você é do tipo romântico? Ou não se importa? Prometi à mim mesma que só irei entregar minhas cartas à você, se ver que você irá se importar em lê-las. Não quero te aborrecer ou fazê-lo gastar seu tempo com meus sonhos e desejos. Tenho certeza que depois de conhecê-lo, terei novas vontades e essas poderão até ser esquecidas; honestamente, queria muito que você se importasse para que elas não fossem apagadas.

 Meus pais perguntaram para mim, dentro do carro, voltando do prédio da prefeitura, se eu já pensei qual lugar irei querer estar quando te encontrar. Já pensei incontáveis vezes qual seria o lugar perfeito, o tempo perfeito, a roupa perfeita, o que dizer a você para me achar perfeita. No fim, acho que se tudo der certo e você me amar, já é o suficiente para mim. Tenho certeza de que o lugar onde nos encontrarmos será tão inesperado quanto imagino. 

 Onde quer que esteja neste momento, com quem quer que esteja, espero que esteja se divertindo e dando muitas risadas. Uma boa vida é feita de risadas, é o que eu acho.

 

 Com amor,

 Alyna."

12 Antes de VocêLeia esta história GRATUITAMENTE!