*Capítulo 4*

506 94 24
                                    

Eliza

O horário de visita do hospital tinha acabado, então tive que sair de lá. Pedi a Lívia que ficasse pra acompanhar minha mãe somente por essa noite e ela aceitou, me falou pra eu resolver meus problemas e tentar esfriar a cabeça.

Mas nessa altura eu já estava tão nervosa que já estava dentro do Uber indo pra casa do Maurício. Eu não vou deixar ele fazer.isso comigo. A falta de responsabilidade foi dele e não minha.

Eu preciso tanto desse dinheiro, não é de forma limpa mas eu preciso. A minha mãe depende disso...

Quando cheguei na casa dele, pedi aos seguranças que me deixassem entrar. Eles primeiro avisaram ao Maurício e depois me liberaram.

Quando entrei dentro daquela casa, dei de cara com ele. Ele tá tava me olhando com aquele sorriso nojento de sempre.

Maurício: Veio fazer seu trabalho? - Olhou pro relógio. - Agora tá meio tarde, não acha?

Eliza: Me dá a porra do meu dinheiro. - Falei alto.

Maurício: Abaixa o teu tom pra falar comigo.

Eliza: Vou abaixar porra nenhuma! Eu fiz o combinado, se você não agiu com a tua responsabilidade o problema é seu! Mas eu estava lá, no local certo e na hora certa.

Maurício: Realmente não cumpri com a minha responsabilidade de ter comido a puta.

Senti meus olhos arderem mas segurei o choro. Não ia demonstrar fraqueza pra esse velho asqueroso. Fechei meus olhos e respirei fundo tentando me tranquilizar por um momento.

Eliza: Olha só, eu faço qualquer coisa. Qualquer coisa mesmo, mas por favor me paga esse dinheiro. Eu realmente preciso dele.

Maurício: Pensasse nisso antes de não cumprir com a tua responsabilidade.

Eliza: Quem não cumpriu com a responsabilidade foi você, caralho! Eu fiz tudo certo do mesmo jeito que sempre faço. Era a minha mãe que tava internada no hospital! Foi só por isso que eu tive que ir embora, será que você não entende?

Maurício: Foda-se quem estava no hospital. Você não fez o que tinha que ter feito, e não vai ser paga. Ponto final.

Eliza: Cara...- Suspirei tentando controlar o choro que estava quase vindo. - É a vida da minha mãe que está em jogo. Por favor, me dá esse dinheiro. Eu faço quantos programas você quiser e do jeito que você quiser, vou ser sua acompanhante sempre que você quiser de graça. Mas me.paga só dessa vez, por favor eu preciso desse dinheiro.

Ele me encarou de cima a baixo, dava pra qualquer um perceber o nojo no.olhar dele. Ele me encarava com tanto desprezo, e era assim sempre, esse olhar dele fazia eu me sentir um lixo.

Ele saiu por um instante e eu me perguntei o que ele tinha ido fazer. Quando ele voltou, ele trouxe um bolo de notas e jogou no chão pra mim.

Olhei pra ele e logo em seguida me agachei no chão pegando o dinheiro. Dei um suspiro aliviada, mas logo que vi o Maurício se aproximando de.mim de novo voltei a ficar tensa.

Maurício: Você se vende tão fácil que realmente parece uma puta. - Deu um sorriso sarcástico. - Aliás, você é.

Senti ele tocar o meu cabelo e colocar ele atrás da minha orelha. Ele puxou um pouco meu cabelo fazendo minha cabeça se inclinar pro lado. Ele veio até o meu pescoço e deixou vários beijos molhados ali, no final senti ele me dando um chupão.

Meu corpo todo se arrepiou e eu senti minhas pernas tremerem. Não era de tesão ou algo do tipo, mas sim medo e nojo.

Nojo dele e nojo de mim mesma.

Maurício foi tirando minhas roupas pouco a pouco e fomos pro quarto fazer o que ele queria. Durante toda a relação que nós tivemos, eu fiquei de olhos fechados.

A minha sensação era que se eu abrisse os.olhos, eu iria vomitar.

...

Desculpem a demora.pra.postar <3


Mercenária [M]Onde as histórias ganham vida. Descobre agora