Fifty One

13.4K 2K 1.1K
                                    


Me respondam uma coisa aqui, eu sei que a fic tem muito hot "vindo da senhorita Gabriela aqui já era de se esperar" mas assim, tá muito chato pra ler? Sabe, com esse tanto de hot? Eu realmente quero saber pra não ficar uma coisa enjoativa pra vocês...

Jimin

Estão sendo dias maravilhosos aqui, meu coelhinho me leva para vários lugares e faz de tudo pra me ver sorrir, fora o quadro lindo de gatinho colorido que meu marido me deu

-Meu amor, o que meu Carrapatinho quer fazer hoje, temos só mais uma semana aqui

-Sorvete -Falei animado, não tomo sorvete desde que chegamos aqui

-Então vamos tomar sorvete -Ele falou mais animado que eu e ele nem toma, eu amo tanto meu Deus, ele me arrumou e se arrumou

Eu gosto de saber que tenho ele pra cuidar de mim, por isso gosto que ele faça tudo, me banhar, me vestir, ele até escova meus dentes às vezes

E não reclama nadinha, faz tudo sempre sorrindo, com ele eu me sinto finalmente amado, ele faz porque quer e gosta, não porque é obrigado

Meu coelhinho sempre faz questão de dizer o quanto me ama, o quanto eu sou importante na vida dele e o quanto eu sou especial no mundo

Ele me diz que eu, Jeon Jimin, sou a pessoa mais especial do mundo inteirinho, e eu realmente me sinto assim quando estou com ele, especial

Depois de prontos ele ficou me cheirando por um tempo e depois nós saímos de mãos dadas até o elevador, logo ele se abriu de novo e entrou dois homens, eles foram pra trás de Jun, se passaram alguns segundos e meu marido se virou atirando em alguma coisa

Eu fechei os olhos pelo susto mas logo abri e quando me virei meu coelhinho tinha atirado na mão do que estava mais perto de mim

O elevador abriu e Jun saiu me puxando mas ficou com a perna na porta pra não fechar

-Tenta passar a mão na bunda do capeta agora idiota -Ele falou na língua que eu entendo e deu outro disparo acertando a testa do homem

Dei os braços assim que ele guardou a arma saindo de perto do elevador esse que fechou com o homem morto e o vivo de olhos arregalados, e ele me pegou

-Nada vai te acontecer meu amor, e ninguém além de mim vai pegar em você -Me deu um beijo e sorriu pra mim

-Beijinho coelhinho -Ele me encheu de beijos, meu coelhinho sempre cuide de mim, seja lá o que seja, ele sempre está lá pra mim -Eu te amo muuito -Puxei o muito vendo ele sorrir ainda mais

-Eu te amo ainda mais meu bebê, meu Carrapatinho lindo -Desde a primeira vez que ele me chamou assim eu amei, a real é que eu amo tudo que vem dele

Menos o dia que ele gritou comigo, machucou muito meu coraçãozinho, aquele não era meu coelhinho, o meu coelhinho não se irrita comigo, eu só estava com fominha poxa

Então eu fiquei muito tristinho, ele me mandou dormir e eu fui, ele tentou pegar em mim mas eu não deixei, eu só não queria deixar ele irritado de novo então eu fui pro quarto para obedece-lo, eu até tentei dormir mas eu não conseguia

Jiminie sabia que não tinha sido por mal, mas machucou o carrapatinho dele, ele nunca tinha feito aquilo, mas depois ele pediu desculpa e ficou tristinho igual eu

Eu desculpei ele e meu coelhinho prometeu que nunca mais faria de novo, e ele nunca mente pra mim, e eu amo ele muito muito muito pra ficar brigado, e eu também não consigo dormir sem meu coelhinho

Sai dos meus pensamentos com meu homem me chamando

-Vidinha? -Olhei pra ele que parecia preocupado -Ai Jimin, uma hora você mata seu marido de susto -A respiração dele estava até desregulada

Eu lhe dei vários beijinhos, às vezes eu penso de mais e não escuto ele me chamar e ele fica meio doidinho

-Desculpa, Jiminie estava pensando no quando ele ama o coelhinho

-É melhor nos irmos antes que eu infarte -Sorri lhe dando um beijinho na testa, Jun não quis motorista, ele mesmo está dirigindo hoje, ele disse que a sorveteria não é muito longe

Uma mão dele está na minha coxa e a minha segurando a dele

Logo paramos na de frente a um lugar bonito, eu não entendo nada que está escrito mas tem um sorvete pintado então obviamente é a sorveteria

Meu marido lindo logo abriu a porta pra mim e me dando a mão, sorri pra ele segurando, nós entramos de mãos dadas, as pessoas sempre se assustam quando vêem ele e dessa vez não foi diferente

Sentamos em uma mesa e não demorou muito e uma moça veio em nossa direção falando coisas que eu não fazia ideia do que era e meu coelhinho respondendo

-O mesmo de sempre amor? -Assenti animado e ele voltou a falar, a moça concordou e saiu

Eles conversando desse jeito me lembra da abusada que pegou no cabelo do coelhinho, o Tete e o Guinho me disseram que se alguém fizesse alguma coisa que eu não gostasse era pra contar pro coelhinho, isso eu já faço, mas se só estivesse me irritando era pra mostrar o dedo e eu fiz

Ela me irritou pegando no cabelo do meu marido, meu coelhinho

Logo a mulher voltou com meu sorvete, levantei da cadeira e meu Kookie já puxou a dele pra trás, me sentei no colo dele que me abraçou deixando as mãos na minha barriguinha e coxa

-Toma um pouquinho amor -Virei o corpo um pouquinho e ele tomou, depois me sentei direito e fiquei tomando

Estou com saudade de casa, aqui é muito bom e onde estamos ficando também é muito aconchegante, mas eu quero nossa casa, nossa cama

Depois que eu acabei o coelhinho perguntou se eu já queria voltar e eu disse que sim, agora estamos voltando pro hotel

Estávamos quase chegando e eu não sei como mais o Jiminie se engasgou, comecei a me desesperar porque eu não conseguia respirar

Coelhinho parou o carro rápido e começou a dar tapinhas nas minhas costas mas não passava, estava ficando mais sem ar e tava doendo

-Jimin -A voz dele saiu desesperada, Kookie destravou o cinto me puxando pro seu colo e eu fui conseguindo respirar depois de mais alguns tapas e eu comecei a chorar

O peito do Jiminie tá doendo muito muito

-Anjo

-Tá doendo coelhinho -Falei entre o choro, eu já estava respirando mas estava difícil

-Onde tá doendo meu amor? -Ele estava muito preocupado, toquei o lugar e ele afastou o banco pra trás me deitando direito em seu colo, meu coelhinho começou a massagear e com isso foi melhorando -Melhor?

Assenti enquanto ainda chorava, ele ficou massageando até estar doendo só um pouquinho, depois ele me apertou nos braços e ficou fazendo carinho no Jiminie

-Passou vida, passou -Coloquei meu rosto no peito dele e só fiquei fungando sentindo os carinhos gostosos que ele fazia em mim, fui ficando com sono -Já estamos chegando amor espera só um pouquinho

Assenti e ele me voltou pro banco, ele voltou a dirigir mas os olhos dele estavam sempre sobre mim, quando chegamos ele me pegou no colo e foi subindo, no meio do caminho eu acabei me rendendo ao sono agarrado a seu corpo

Protegido do MafiosoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora