Capitulo 5 parte 2

109 4 0

As horas se passaram lentamente desde então, ao qual gastei sentada no sofá com uma tingela vazia na mão -ao qual eu tinha preparado pipoca, mas como a desastrada que sou deixei cair a metade no chão ao retirar da embalagem de microondas -depois de limpar o chão comi tudo em menos de vinte minutos, e o programa ao qual estava ouvindo estava tão repetitivo que quase cai no sono, se não fosse barulho de chaves na porta e o som da conversa de minha mãe e Leonice.
-Então não esqueça de me convidar na proxima, eu adorei esse programa com você.
Essa era a Leonice com minha mãe sempre tão animada,eu até gostava que minha mãe saisse com ela porque ela esquecia de seus problemas, como por exemplo nessas quatro horas que dona Marta não ligará para mim nenhuma vez e era raro eu não receber mensagem ou ligação dela em um periodo de tempo tão longo a não ser que ela esteja com sua amiga ou estejamos juntas em nossa casa.
Leonice ao perceber que eu estava na sala disse:
-Oi San,fiquei sabendo que vai voltar a ir a escola.Então ta animada?
-Não tanto quanto uma pessoa que já tinha que ter terminado o colegial e que provavelmente vai ser uma das mais velhas e ficar rodeada de adolescentes a flor da pele, ficaria.
Eu tento ser agradavel mas meu mal humor tende a dar as caras,principalmente por que estou com sono -quer me ver mais mal humorada do que o normal é me pegar sonolenta-e infelismente  Leonice foi o alvo dessa vez.
-Não fale assim, sabe que as pessoas lá só terão no minímo um ano de diferença que você,até terão mais velhos.Você vai fazer muitos amigos deixe ver, a garota linda que você é vai até arrazar corações.
-Eu não estava falando do pessoal da mesma sala que eu,sim as da sala inferiores,tanto faz e você ja esta exagerando Léo eu não arrazo o coração de ninguém.
Leonice ignora o meu argumento e continua:
-Isso por que você não vê os olhares que você recebe quando sai com a gente, você é linda.
-Sabe acho que sua amiga mãe ta precisando de óculos pois ela ta confundindo olhares curiosos com os de adimiração.
Eu sabia que as pessoas me olhavam mas era somente curiosos pois concerteza não olhavam uma segunda vez já que mataram a curiosidade.
-Minha filha você é realmente linda,não ache que chama atenção por ser cega.
-Sim só chamo atenção por derrubar uma jarra de suco em uma idosa -Comento uma ocasião em que estava almoçando com meu pai e minha mãe e ao levantar bati com a cabeça no braço de um garçom e o liquido da jarra que ele carregarra ser derrubado todo no colo de uma idosa da mesa vizinha, me lembro de ter morrido de vergonha e ter saido do restaurante aos tropeços e minha mãe atrás, mas naquele momento eu só queria ficar sozinha e me reorganizar mas como sempre no momento em que mais eu preciso ficar sozinha não acontece e ela ficou lá só falando que não fosse nada demais.
-Aquilo foi um episódio que você não havia se adapitado ainda mas você melhorou muito desde então.
O que era isso mesmo que eu estava ouvindo da minha mãe.
-Adaptar você quer dizer se comportar como uma cachorrinha adestrada mãe ?
Eu sabia que tava pegando pesado ainda mais na frente de sua amiga, mas ela da a entender que pessoas cegas tem que ser treinadas, mas não é assim ela apenas precisam de experiencia e isso eu concerteza não tenho.
-Não me trate assim, você sabe que eu só quero o melhor  pra você.
-Tudo bem mãe-Decido acabar com isso ja por que minha mãe é cheia de retorcer as coisas- Então Léo eu espero,que de tudo certo também para mim,eu to precisando de um banho se você não se importa eu vou subir para o meu quarto.
-Tudo bem querida, eu também ja "to”de saida até mais e boa sorte.
-Até Léo.Subo as escadas até o meu quarto.
Vai ser uma caminhada dificil até eu ser independente mas eu não vou desistir,por mais gafes que eu passe eu tomarei isso como experiencia e vou evoluir.

Meu guiaLeia esta história GRATUITAMENTE!