Voltando a escola...

173 6 1

- Inferno… primeiro dia de aula no 1º do ensino médio no Farias Brito. Lá só tem patricinha e playboyzinho. Não sei o que mamãe vê naquele colégio.- Desculpas gente por tanta empolgação, ( sqn ). Sou Antonio Bernardo, tenho 15 anos, 1,78cm, pele bronzeada, cabelos azuis, sou fanático por animes assim como meus irmãos gêmeos.  Somos idênticos embora algumas diferenças entre a gente que são nossos cabelos e o sinal de nascença em cada um, que é uma pequena mancha nas costas formando um coração quase perfeito. A minha é do lado direito. Antonio Carlos é por dois minutos o mais novo de nós. Ele pintou o cabelo de vermelho. Antonio David é o do meio por um minuto de diferença entre nós dois. Seu cabelo é branco. Outra diferença entre eu e Carlos dele é que David é cego. Segundo nossa mãe teve um problema durante nosso parto e resultou na cegueira dele, os médicos não conseguiram explicar. Moramos em Fortaleza cidade maravilhosa. Somos bem unidos e sempre somos o centro das atenções onde vamos não pelas cores dos cabelos mais sim pela forma como nos tratamos. É mais que amor de irmão é um amor inexplicável.

Carlos
- Deixa de ser resmungão e vamos logo nos arrumar. Davi acorda mano.- Sou A.Carlos. Como meu irmão disse somos bem unidos e sempre estamos juntos e minha marca de nascença é so lado esquerdo. Nosso quarto é bem grande e tem espaço para três camas de solteiro box. Um grande closet e um banheiro divino, que pode parecer estranho mais é nosso lugar preferido da casa principalmente pela banheira que tem espaço para nós três. Sempre tomamos banho juntos. Davi apesar de ser cego as vezes nem parece. Ele tem mania de sair sozinho as vezes do quarto, onde passamos a maior parte do tempo, e sai andando pela casa e não gosta de ser interrompido. Ele fala que isso o ajuda a pensar e como já é acostumado com a casa sabe onde fica cada cômodo. Claro algumas coisas mamãe fez questão de adaptar a ele. As vezes fico com ciúmes mais meu amor por ele e por Beh é bem maior e não demonstro.

Davi
- Vocês dois são muito chatos mesmo. São pelo menos sete da manha? A escola é aqui perto e vocês sempre são adiantados.- Seriamente não sei o que esses dois tem. Sou A. David, minha marca é bem no centro das costas abaixo da nuca. Mamãe nunca explicou por que são em lugares diferentes. Ela tem essa marca no mesmo lugar que a minha, segundo ela. Como já disseram sou cego. A parte boa é que eles sempre me ajudam e estão do meu lado, parte chata eles sempre querem me ajudar e se eu não insistir nunca faço nada sozinho. Passamos boa parte do tempo juntos. Depois que nossos pais se separaram, quando tínhamos cinco anos, mamãe se dedicou muito a nós e por trabalhar em um hospital nunca sabemos quanto tempo teremos com ela. Mais depois de nosso aniversario de seis anos ela começou a namorar Ricardo, que é bem legal, antes de um ano de namoro ela engravidou e pude sentir o alivio de não ser tão paparicado pela família. Os únicos que não paravam de me paparicar eram Bernardo e Carlos. Jackson nosso meio irmão nasceu pouco depois de fazermos sete anos e também se uniu muito a nós. Não me deixava sozinho nem um minuto quando estamos em casa. Nas ferias sempre vamos ver nosso pai que mora em Buenos Aires. Papai se chama Guilherme e mamãe Samantha. Nunca entendi por que se separaram por que são ótimos amigos.
- Ai mano. Será que a escola tem livros em braile?- Carlos.
- Não sei?- E na verdade nem me importo
- Não esqueçam que temos de convencer mamãe a nos deixar fazer judô com o Davi esse ano.- Bernardo lembrou a tempo.
- Sabe que ela nunca vai deixar Beh- Se mamãe deixar de primeira ou sem chantagem emocional alguma coisa está errada.- Ela acha que não posso fazer esportes.
- Então você vai fazer escondido.- Carlos disse entre risos.
- O que ta pensando Carlinho?- Me interessei
- Papai. Quem mais pode assinar a autorização? Afinal não esqueçam que ele vem essa semana para nosso aniversario.- Carlos lembrou bem.  Não lembrava meu próprio aniversário.
- Mesmo ele deixando a mamãe nunca vai permitir. Sabe que ela tem o maior cuidado com o Davi. Mesmo depois do Jack nascer ela nunca deixou de se preocupar com ele ou com a gente.- Beh
- Mais ela vai ter que se acostumar. Sou cego não burro. Ela não vai cuidar da gente para sempre e vocês vão formar suas famílias. Não quero ser encosto para ninguém vocês sabem disso. Agora vamos sair se não nos atrasamos no primeiro dia.- A pior parte de ser cego é que sempre vão  achar que você não pode se virar sozinho.
- Meninos.- Samantha entra no quarto.- Quando vão perder essa mania de tomarem banho juntos? E que história é essa de judô?- Carlos e Bernardo se olharam enquanto David foi em direção ao closet passando as mãos na parede.
- Mãe se você escutou nossa conversa sabe o que pensamos e por que pergunta?
- David meu amor. Eu fico preocupada só isso. Não quero ver você machucado.- Samantha se aproxima do filho e o abraça.
- Mãe. Eu to de toalha.- fiquei meio corado- Deixa a gente se trocar. Deveria se preocupar mais com o Jack que é o caçula. Tenho 15 anos né. E também esses dois não me deixam. Não precisa se preocupar.
- Tem vergonha da sua mãe mais não dos irmãos.- Os quatro começaram a rir.- Tudo bem. vou pensar e conversar com Ricardo sobre isso e depois com o pai de vocês.- Ela olha para Bernardo e Carlos- E vocês dois nada de abandonar a natação.
- Isso é um acordo?- Beh adora fazer mamãe se sentir forçada
- Talvez.- Mamãe  responde e vai saindo do quarto.- Agora vão se arrumem que o café já está pronto e o Jack não para de pergunta por que não vão mais estudar com ele. Ele vai sentir falta de vocês na escola.- ela sai do quarto deixando os três a sós.
- Fácil de mais.- Disse.- Vocês não acham?
- Se ela escutou nossa conversa sabe que dessa vez estamos decididos.- Beh está certo,  mais ainda não me convenci.
- Concordo Beh.  Davi você pensa muito mano tem que parar com isso. Aqui.- Ele pega a calça e coloca na posição correta para que eu vista.
- O fato de eu ser cego deixa meus outros sentidos mais atentos. E a voz de mamãe não me engana ela não vai permitir que eu faça judô. Mais to pensando numas coisas que pode fazer ela mudar de ideia.- Se ela não aceita de boa vontade...
- Que coisas?- Beh e Carlos perguntam em coro.
- Aqui não dá para falar. Tem alguém vindo pro quarto.- quando termino de falar Jack entra no quarto.
- Vocês ainda vão demorar muito?- Rimos quando ele entrou no quarto.  Sempre rio do Jack mesmo não o vendo.
Meus três irmãos aprenderam libras por vontade própria. São todos unidos. Mais este ano estaremos separados no período de aula. Descemos os quatro para tomar café e nossa...  Como estou com fome...
- Ainda não entendo como consegue passar o pão sem ver Davi.- Jack sempre se fazia as mesmas perguntas de manha.
- Faz assim Jack.- Bernardo fecha seus olhos, pega um pão e uma faca, lentamente começa a cortar.- Aiii… merda!
- Pera.- Carlos se levanta e vai no armário e pega um band-aid.- Pronto.- os dois se olham rindo.
- O que foi? Se cortou Beh?- Pergunto  com cara de preocupado.
- Foi um corte pequeno Davi.  Carlos já me deu um band-aid.- respondeu-me ele. Mamãe já não se preocupava tanto com Beh e Carlos, mais senti que minha pergunta a deixou inquieta.  Só fiquei preocupado.

-Narrador-
- Meninos vamos ou vão se atrasar.- Ricardo se levanta da mesa. E os quatro vão escovar os dentes e pegar suas bolsas. Logo eles já se encontravam na porta esperando por sua mãe para leva-los. A escola fica no caminho do hospital. Ricardo é engenheiro civil e trabalha num ótima empresa, mais na direção oposta e por isso Samantha quem os leva. O caminho foi tranquilo e logo deixaram Jack em seguida foram em direção ao FB. Chegando lá os três de despedem de sua mãe e vão em direção a escola.
Beh
- Que saco. Vai começar tudo de novo.
- Deixa de ser reclamão. Vamos logo que to louco para ouvir as histórias da turma. Lembra que eles também vieram para este colégio?- Davi sempre bem animado.
- É mesmo. vamos lá.- Disse Carlos e nos três foramos entrando...

Amor Amaldiçoado -PAUSADO-Leia esta história GRATUITAMENTE!