Capítulo 28

8.7K 1K 575
                                    

Eu não me mexi enquanto Rafe se aproximava, ele se agachou na frente a cadeira em que eu estava sentada e apoiou os braços sobre minhas pernas.

— Eu fiz tudo certo, eu fiquei com ela, não deixei ela se esforçar, eu cozinhei e eu não atrasei os horários dos remédios — comecei a me explicar — não faz sentido, eu não sei o que eu fiz de errado, eu não faço ideia de onde foi que eu errei, eu juro Rafe, eu, eu, eu não sei onde eu errei.

Rafe apertou minhas mãos.

— Você não fez nada de errado, Naya.

Neguei algumas vezes sentindo meu rosto se molhar em lágrimas mais uma vez.

— Eu fiz isso, eu não devia ter ido trabalhar, eu não devia ter deixado ela sozinha, Rafe — solucei — Ela tá morta e eu não pude fazer nada.

Rafe se levantou e puxou minhas mão de fazendo levantar junto, quando seu corpo aconchegou o meu, eu dismoronei.

O ar estava pesado e meu coração batia forte, apertei os olhos com força achando que não ver nada fosse tirar um pouco da dor que e sentia.

Mas nada poderia, nada poderia mudar isso. Nada poderia mudar a dor que eu sinto.

— Eu juro que eu tentei dar o meu melhor — confessei agora olhando bem nos olhos de Rafe.

— Não é culpa sua — afastou meus cabelos bagunçados do meu rosto.

— Naya — me afastei um pouco de Rafe podendo ver seu pai próximo — você pode vê-la agora se quiser.

Eu balancei a cabeça afirmando que queria isso, apertei meus lábios tentando não chorar pelos corredores do hospital, Ward Cameron andava logo a nossa frente falando com a enfermeira e Rafe andava ao meu lado com o braço atravessava por meus ombros em sinal de apoio.

Nos separamos assim que a porta do quarto foi aberta e eu entrei sozinha, a senhora deitada sobre a cama tinha o rosto sereno e parecia dormir em um sono suave.

Me sentei na cadeira agarrando sua mão com força esperando que por um milagre ela a apertasse.

— Me desculpa, por favor mamãe, me desculpa — pedi bem baixinho, quase em um sussurro com a voz meio falha — Eu falhei, eu não cuidei da senhora como deveria, eu não fiz o suficiente para manter a senhora aqui comigo e agora eu não sei como viver. Eu não sei ficar sozinha, eu não consigo ficar sem a minha mãe. Eu não consigo ficar sem você, por favor, me perdoa.








 Eu não consigo ficar sem você, por favor, me perdoa

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.
Opostos - Rafe CameronOnde as histórias ganham vida. Descobre agora