Eu estou deitada de costas em minha toalha sentindo o sol secar as gotas de água que ainda estavam em minha pele. Ajeito melhor os fones de ouvido e sinto a brisa cobrir meu corpo com alguns grãos de areia. Me apoio nos cotovelos e com as mãos tento proteger meus olhos do sol enquanto esquadrinho a orla à procura da minha melhor amiga, que havia saído para conversar com um carinha perto do mar.
Sinto um cheiro estranho, e torço o meu nariz incomodada. De repente uma sombra cobre meu corpo e enquanto eu olho para cima e pisco repetidas vezes para afastar a neblina que subitamente cobre meus olhos, sou capaz de reconhecer apenas um vulto muito alto e então tudo escurece.
Só há o frio.
Um frio enregelante e interminável.
Um frio que consome todas as minhas energias e me cega para tudo e todos que estão ao meu redor.


E então, não há mais nada.

Amarelo NeonLeia esta história GRATUITAMENTE!