━━ 3.

10K 1.3K 1.6K
                                    

𝗔𝗩𝗘𝗥𝗬

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

𝗔𝗩𝗘𝗥𝗬.

Por incrível que pareça, acordo sem sentir um pingo de dor de cabeça ou qualquer sintoma da ressaca. A única coisa que me impede um pouco de levantar imediatamente é a bambeza nas minhas pernas. Não era de se esperar menos. Não lembro quantas vezes eu repeti a dose com o jogador de hóquei ontem, apenas me recordo de adormecer após vê-lo praticamente surrado ao meu lado na cama. Ao contrário de ontem, amanheço sem ele do meu lado. Não estou mais com meu vestido curto e ajustado no corpo, e sim uma camisa extremamente larga de John B. Coço meus olhos, me arrependendo no mesmo instante que eu noto o resquício de rímel e sombra escura nos meus dedos. O suor não foi o suficiente pra remover toda a minha maquiagem. Acabo bufando, esforçando-me pra ficar de pé e amarrando meus cabelos num coque desajeitado.

Levo meus olhos à pequena cômoda ao lado de sua cama larga. Ali, havia um copo d'água e uma cartela com dois comprimidos pequenos. John B. provavelmente havia se preocupado com o meu bem estar na manhã seguinte a nossa. Não nego que acho uma graça, porém, apenas o conteúdo fresco do copo e deixo os remédios de lado. Caminho até seu banheiro, tirando o resquício de maquiagem borrada que havia em meu rosto e lavo minha pele com um sabonete facial que se encontrava perdido no canto de sua bancada. Ele nem deveria usar essas coisas. Deve deixar reservado para as meninas que passam a noite por aqui, penso. É, acho que minha suposição está mesmo certa. Não conheço muitos homens vaidosos.

Quando saio do banheiro, procuro minha roupa pelos cantos do quarto. Durante essa missão, meu celular vibra com a chegada de uma nova mensagem. Era John B, dizendo que teve de sair cedo pra treinar e que havia posto meu vestido na lavanderia. Mais tarde, me devolveria, se eu quisesse vê-lo de novo. Não evito de sorrir, mais uma vez. Confesso que quebrou minhas expectativas sobre ser um babaca que não olharia na minha cara no dia pós sexo.

A casa está em silêncio. Apenas os jogadores da liga da faculdade moravam aqui, então, sugiro que todos foram treinar junto de John B. Abro a porta de seu quarto e me retiro, não me preocupando com a possibilidade de alguém me ver. Além disso, a blusa que eu trajava batia nos meus joelhos. Não era perceptível que só trajava sutiã e calcinha por baixo.

Digito de volta pra John B, dizendo que logo iria embora pois tinha aula. Sua mensagem de resposta é um pedido pra tomar café em sua casa, pois tinha deixado um pouco de café preto pra mim e algumas frutas. Suspiro. Cacete, quando que eu parei de conhecer homens desse tipo? JJ não tinha o costume de fazer café pra mim. Sim, não tínhamos nada sério, mas era o mínimo, não? Toda mulher gosta de agrados. Nesse momento me toco de como tudo que ele fazia pra mim estava na linha do mínimo. Maybank nunca foi de me surpreender. Nossa relação foi monótona e resumida à comigo extremamente surpreendida por nunca ter sido tratada antes da forma que ele me tratava. Contanto com o fato de que minhas paixonites da adolescência foram rasas, ele realmente foi um príncipe encantado, por um certo tempo.

𝐓𝐎𝐗𝐈𝐂, 𝗰𝗮𝗺𝗲𝗿𝗼𝗻. ✓Onde as histórias ganham vida. Descobre agora