Capítulo Dois

52.9K 2.4K 291

Olá, princesas!! Cap. 2 quentinho. Muito quente...rss. Espero q gostem.

Amores, continuem divulgando nosso roqueiro pq estamos naquela mesma situação. O Liam n vai ter muitas leituras se não nos unirmos na divulgação. Lamentável, ter gente tão sacana nesse mundo. Enfim, me ajudem a divulgá-lo, amores. Obrigada!

Dedico o capítulo à todas as princesas lindas que continuam firmes comigo no face, aqui em outras redes sociais. 

Boa lietura e muitas bjokas!

Lani

CAPÍTULO DOIS

Liam

_ Hum, quem é essa? _ Natasha postou-se do meu lado, quebrando nossa troca silenciosa. Todas as sacanagens que estava pensando e dizendo a Mel apenas com meu olhar. Seu tom de voz seco. Claro que tinha percebido a tensão sexual crua emanando de nós. _ é sua tia? _ porra! As mulheres são mesmo umas cadelas quando querem. Tia? Deus me castigaria se eu pensasse na minha tia dessa forma... Nesse exato momento estou pensando em empurrá-la contra o carro e beijar sua boquinha rosada. Jogá-la dentro da limusine, rasgar toda essa roupa fora do seu corpo gostoso, pendurar seus calcanhares em meus ombros e me enterrar até o cabo em sua boceta, que deve ser a perfeição do cacete! Meu olhar desceu para seus peitos e Mel ofegou quase inaudível. Ela sempre foi um ataque a meus sentidos. Eu faria qualquer coisa para ter essa mulher. Será que vou queimar no inferno por querer assim a mulher do bastardo do meu irmão? Foda-se! Esse negócio de não desejar a mulher do próximo nunca funcionou muito bem para mim. Estou me afogando nela outra vez. Essa porra é intensa demais. Não há como parar agora que o próximo não está próximo...

_ Sou Melissa Portela. _ Mel se recompôs do meu escrutínio descarado e estreitou os olhos em Natasha por alguns tensos instantes. O antagonismo foi imediato entre as duas. _ cunhada de Liam. Eu perguntaria quem é você. _ deu um riso mais frio que o ártico. _ se isso tivesse alguma importância para mim, claro. _ oh! Uau! Adoro mulheres geniosas. Elas geralmente são um vulcão na cama. Mel é doce na maior parte do tempo. É eu sei, parece redundante na Língua Portuguesa. Mas há fogo em seus olhos. Eu sempre consegui ver, sentir isso. Embora seja gentil, ela não aceita merdas como essa implicância gratuita da cadela da Nat. Nat apenas resmungou, enquanto minha deliciosa cunhada se dobrava para entrar na limusine, oferecendo-me a visão do seu traseiro lindo. Cacete! Meu pau estava furioso agora. Porra! Só tem o que? Cinco minutos que eu a vi de novo e já estou ostentando uma ereção monstruosa e um riso idiota no rosto. Meus sentimentos sobre esse mês inteiro no Brasil mudaram. Estou achando que ao contrário do que pensei, vou me divertir muito...

Greg e  Mat, meus seguranças chegaram até mim. Os mandei seguir no segundo carro. Eu precisava de privacidade.

Entrei em seguida, me acomodando no banco em frente a Mel. Eu quero olhá-la. Meus olhos simplesmente se recusam a parar de olhá-la. Uma música suave soava no sistema de som. Ainda Bem, de Marisa Monte. Ela sempre adorou essa cantora. Nat sentou-se perto de mim. Perto demais. Afastei-me um pouco mais para perto da janela. Mel sustentou meu olhar corajosamente, quase desafiadoramente. O meu pau pulsava doloroso contra o zíper das calças. Me ajustei discretamente. Ela corou, o olhar amendoado passando rapidamente pela minha virilha. Piscou, encarando-me com a mesma expressão de anos atrás. Um misto de tesão e vergonha por sentir o mesmo.  Por me querer tão loucamente como eu a queria. Como eu ainda a quero. O carro entrou em movimento e ficamos assim, alheios a tudo. Apenas nossos olhos se comunicando no nível mais básico. Seis anos deixaram de existir como num passe de mágica. A atração louca, intensa tomando conta de nós outra vez. Uma sensação gostosa de antecipação começou a tomar conta de mim porque não há nenhuma maneira no inferno dessa mulher não ser minha dessa vez.

Incontrolável (degustação)Leia esta história GRATUITAMENTE!