chovam corpos picados sobre os seus,

por amor mesmo, e para ser fiel,

 é preciso saber dizer adeus.

- Gregório Duvivier

Acordei com aquele sentido, aquela certeza que só se tem quando se ama. Levantei-me completa, encerrei meu espetáculo. Ontem à noite enquanto sonhava ele dormia do meu lado. E se eu não podia tocá-lo acordada, eu sabia que podia senti-lo. Era só dormir que estaríamos juntos.

Hoje eu sei que para viver eu preciso ser forte, que se consegui chegar até aqui é porque eu conseguirei chegar muito mais. Eu me lembrei de nosso amor, lembrei-me de todas as dores e de tudo o que vivemos. Lembrei-me de perdoar meu pai que não conheci, de agradecer por ter Maria, minha vó por perto, lembrei-me de aceitar os erros de mamãe.

Hoje eu acordei com a certeza de estar viva. Afinal, se amanhã eu não conseguir mexer minhas pernas, paciência, tudo que andei e corri e dancei durante todo este tempo terá valido a pena.

Se outro dia acordar sem sentir minhas mãos ou braços, tudo bem. Tudo que escrevi, toquei, segurei e senti terá valido a pena.

Se amanha ou depois algo me acontecer e a morte resolver finalmente acabar com meu tormento, eu a saldarei na certeza de estar deixando a melhor vida de todas e indo ao encontro de tantas outras.

Hoje eu sinto como se encerrasse algo bom, mas como se tudo se descortinasse à minha frente. Ainda tenho tanta coisa para viver! Tenho tanta fé de que viverei tudo isso! A minha certeza é tão grande que eu sei que posso salvá-lo, sei que no fim isso tudo vai sim valer a pena. Acho que é o mínimo que merecemos, um final feliz.

-Toc toc

Deixei a porta aberta para que ele pudesse entrar.

- Já está pronta?- ele pergunta

-Eu quem te pergunto. Você está pronto?

-Sim Sas, nunca estivesse tão pronto em toda a minha vida.

É de madrugada ainda e dentro de poucos minutos o sol vai nascer. Ele pega minha mão e caminhamos juntos até onde meus pés já sabem ir sozinhos.

Uma parte de mim pensa que talvez eu não seja o bastante, que meu amor não será suficiente para salvá-lo, mas eu sei que se não for dessa vez, se isso não bastar, ele nunca sairá do coma. Estamos andando pelo corredor, as paredes excessivamente brancas me fazem lembrar do meu túmulo branco que é meu quarto no hospital. Isso me faz lembrar de todas as vezes que ele esteve comigo, que ele segurou minha mão, me acalmou e foi tudo o que eu sempre quis.

-Você está nervosa?- ele pergunta

-Não meu amor, eu estou perfeitamente bem.

Ele me olha fundo nos olhos enquanto andamos e por um momento eu me esqueço de como ele é bem mais alto que eu e de como ele é bem mais forte que eu, pois sua expressão é quase como se fosse uma brecha na fortaleza que ele é, como se fosse um último alento para um barco que está a mercê de um mar, como se eu fosse sua boia salva-vidas, sua âncora e ele estivesse se afogando.

-Eu te amo- ele sussurra baixinho

-Eu também- respondo nas sombras.

Finalmente chegamos em frente à porta do quarto, está escuro como breu, a luz da lua nunca entrou aqui e talvez isso seja algo bom, não quero que a deusa o descubra.
-Quer fazer as honras?- ele pergunta, e sou eu quem abro a porta e encontro seu corpo estendido sobre a cama.

A partir do momento em que minha mão toca a maçaneta ele se vai, e eu torço e rezo para todas as entidades do bem para que isso realmente dê certo.

Aproximo-me da cama, faltam poucos segundos para que o sol nasça. Os aparelhos que o mantém vivo fazem barulho e chiam no meio da noite. Eu me aproximo de seu rosto inerte e o observo, subitamente ele abre os olhos cor de café que eu tanto amo, e deixo me perder dentro deles.

Nesse instante quando o sol deveria iluminar o quarto é a luz prateada e frívola da lua que o invade. Assisto enquanto minhas mãos vão em direção ao botão que desligará os aparelhos, e como se eu estivesse em um sonho sem poder conter, sem poder sequer me controlar ele diz.

-Selene

Sua respiração está fraca e se eu fosse apenas uma humana eu poderia nem ter ouvido

Antes que ele termine de respirar eu desligo as maquinas que o mantinha vivo.

-Adeus Eduardo


Meu Presente é a LuaLeia esta história GRATUITAMENTE!