TÓXICO

1.9K 59 3
                                    

O resto desse fim de semana não saí mais de casa além de ir comprar pão e voltar.
Já é segunda feira a noite e estou em casa corrigindo as provas que passei hoje para a turma de Nanda. Ela, por sua vez, não me deu problemas o dia todo, agiu como se nada naquilo tivesse acontecido sábado e eu também.
As provas começaram e logo entraremos em férias de fim de ano. Minha mãe está pensando em irmos para casa do meu tio Carlos em São Paulo, mas uma reunião de família para todos me olharem torto não me é nada tentador.
Viver junto da minha família ficou difícil depois de me assumir. Lembro de me olhar no espelho, quando era adolescente e perguntar pra Deus por que nasci assim... E se eu morresse nasceria novamente e do jeito que todos queriam que eu fosse.. "uma mulher normal"? Não desejo esse sentimento sufocante para ninguém. Era chamada de indecisa pelos meus amigos e lembro de ver uma esperança nos olhos dos meus pais de que um dia eu encontrasse um homem.
E se um dia eu encontrar? Não vai mudar minha sexualidade, afinal eu gosto dos dois.
Parece até que o B de LGBT realmente significa biscoito pra alguns.

Falando em biscoito, agora quero uns.
Me levanto e vou pra cozinha fazer alguns.

NANDA

Hoje o restaurante não está tão movimentado.
Estou atrás do balcão arrumando alguns papéis com pedidos, anotando os preços para não esquecer nada no final do mês quando for fazer o orçamento de tudo.

Minha atenção é tirada por um casal que entra no restaurante. Depois de escolherem a mesa eu me levanto para levar o cardápio.
Eles sorriem um para o outro e seguram as mãos sobre a mesa, parece ser os primeiros meses do casal.

  - Boa noite, sejam bem vindos - digo enquanto entrego o cardápio.
Ela pega e reparo numa aliança de ouro em sua mão esquerda.
Olhando de perto ela parece ser mais velha que ele uns 10 anos.
Ela faz o pedido e entrega o cardápio para o homem, enquanto anoto o pedido dela, olho por cima do caderno e percebo que ele não usa nenhuma aliança.

Vou para a cozinha e entrego os pedidos para meu pai e depois volto para o balcão anotando os novos pedidos. Olho de novo para o casal, o celular dela toda e quando olha a tela faz uma careta, levanta o dedo indicando para o homem esperar um minuto e vai para fora do restaurante.

  - Oi, querido. Está uma loucura esse escritório hoje...

O homem não parece se importar com a situação e começa a mexer no celular também mandando mensagem para outras pessoas.

Fico imaginando se eu encontrasse alguém um dia, por quem  me apaixonasse e casasse e isso aconteceria comigo também.
Será que minha mãe casou por amor? Será que ela sabia que meu pai saia com outras mulheres?
Ele recebia muitas mensagens no seu celular e as vezes atendia ligações e saia dizendo que era sobre trabalho.
Eu descobri quando estava voltando sozinha da escola e vi ele dando carona para outra mulher e a beijando na boca do mesmo jeito que as vezes beijava minha mãe.
Pensei em perguntar a minha mãe o que isso significava para um homem e uma mulher mas deixei os dias passarem e não pude mais perguntar nada a ela... Nunca mais.

Acho que não quero viver um relacionamento duradouro, talvez o único modo de evitar esse tipo de relacionamento é não viver um relacionamento.

Meu pai avisa que o pedido está pronto e vou entregar na mesa, a mulher ainda não voltou mas deixo sua comida no seu lugar da mesa, o homem me olha e sorri simpático, sorrio de volta e saio voltando para meu balcão.

  - O movimento está fraco hoje - meu pai diz aparecendo atrás de mim, sinto um calafrio sempre que ouso sua voz - quando esse casal ir embora acho que podemos fechar.

Ele diz e volta para a cozinha.
Relaxo quando ele sai, fico feliz que vamos fechar mas não queria ter que voltar pra casa tão cedo.

Alguns minutos depois que o casal vai embora digo ao meu pai que pode ir e deixar que eu fecho, ele não reclama de nada e apenas sai.
Ele anda diferente desde uns dias.
Sábado, quando voltei pra casa rezando para que ele não tivesse voltado ainda, vi ele no restaurante com uma mulher de cabelos loiros. Eles pareciam bem íntimos.
Queria pode espiar, mas não queria perder a oportunidade de entrar sorrateira pelos fundos.
Talvez estivesse namorando com ela e isso o deixava melhor. Bem se isso o fizesse me deixar em paz eu também estava feliz.
Naquela noite e a seguinte ele ia para a cama e falava com ela por ligação até dormir.

MENOR DE 18Onde as histórias ganham vida. Descobre agora