XI - Melissa Breeze

563 44 0

Eu já estava entrando em desespero, sou muito impaciente, e aquela noite, aquela tempestade, aquele tudo parecia não ter fim. Essas foram as piores horas de minha vida, nunca tinha me sentido tão ansiosa como me senti.

Felizmente, o dia já está perto de nascer e assim mostrarei minha descoberta a todos.

Peguei um espelho e me olhei, nunca tinha me visto tão descuidada. Cabelos arrepiados, olhos inchados e extremamente vermelhos. Fiquei com muito medo daquele monstro que vi no espelho.

Saí da barraca e a tempestade de areia já tinha passado, saí como uma louca gritando pelos outros. Eles acordaram e pareciam zumbis, não pessoas.

-Acordem, acordem! Tenho uma coisa para falar pra vocês- falo entusiasmada.

-Posso saber o motivo de tanta alegria em plena manhã?- Resmungou Coralinne chateada.

-Claro que sim,todos podem!- Gritei

-Então fale, moça!- Melanie e Lucca falaram ao mesmo tempo.

Eu não entendi, a Coralinne estava com um olhar de raiva encarando a Melanie, mas decidi ignorar aquela atitude.

-OK! Finalmente descobri o que aquela placa significa.- falei com calma.

-Depois de muito observar e de lê-la varias vezes, entendi o que ela queria falar. Quando se refere a uma pessoa de coração puro, se refere a uma pessoa do reino do ar, que nas lendas antigas do meu reino, contavam que nós devemos ser sempre puros como o ar, e a outra parte que descobri foi: "A flecha da caçadora está a oeste apontar". Quando fala da caçadora, se refere a Alyria. Ela foi uma grande arqueira e, quando morreu, as divindades dos reinos decidiram transformá-la numa constelação. Ontem à noite fiquei observando essa constelação e percebi que a flecha dela aponta para o oeste, e é pra lá que devemos ir para terminar de desvendar o que esse pedaço de pedra quer dizer.- Completei

-Então se é para lá que devemos ir, então vamos.- falaram Peter e Matthew.

- E como é o resto dos escritos da pedra?- indagou Coralinne.

-"13-30-31 as coordenadas achará. No meio do vermelho o inseto proibido há de encontrar, e pelas mãos do escolhido não só o tesouro, mas sim a deusa voltará."-respondi

-Acho que esse inseto proibido pode ser o escaravelho, já que se pode encontrar eles aqui no deserto.-completou Max.

-Então tudo o que nos resta é andar e andar, vamos logo!- falou Evelyn enquanto ria.

Todos se levantaram e seguiram a direção que apontei. Caminhamos sem parar, parecia que aquele deserto não tinha fim.

Era um calor infernal, de tempos em tempos uma brisa suave nos encontrava, mas logo depois desaparecia. Caminhamos por mais 1
40 minutos e decidimos descansar, sentamos e bebemos um pouco de agua.

Vi Max mexendo em algo na areia, fui ver o que era. Chegando lá, vi um grande número no chão "13". Naquele mesmo instante percebi que aquela era a primeira coordenada que a pedra nos dava, e então avisei aos outros.

Deduzi que era 13° para oeste, já que a seta apontava para lá. Então fomos caminhando intensivamente, sem paradas. Eu já estava prestes a desmaiar, mas o Peter me segurou e me abraçou. Apenas isso que consigo me lembrar daquele momento.

The KingdomsOnde as histórias ganham vida. Descobre agora