~Carol~

Sonhei mais uma vez com a Thereza. Seus olhos, seu rosto, e juro por Deus, que no sonho eu conseguia sentir até o seu cheiro.

Esquecê-la está sendo uma tarefa quase que impossível, mesmo com toda a dor que ela me proporcionou. Para piorar tudo, hoje, antes do aniversário do Cauê ela me ligou. Não sei o que ela queria, não a atendi, só fiquei observando seu número piscar na tela do meu celular.

Ela não ia estragar a noite do meu amigo. Não irei ficar triste por causa dela. Não vou chorar.

Coloco uma das minhas melhores roupas e vou direto para a casa do Cauê. Thereza me manda diversas mensagens, mas não leio nenhuma.

A noite passa rápido e eu me entrego as bebidas para fazer da minha noite mais fácil.

Estávamos na boate já e não aguentava mais ignorar as mensagens da Thereza, talvez se eu olhar só uma... Estava ignorando a um bom tempo uma mulher que me olhava de longe. Bonita, mas não tanto quanto a Thereza.

Abro a mais recente e é como se eu levasse uma bofetada na cara. Não deveria ter feito aquilo, não deveria mesmo.

“Não sei se você vai ler isso, mas eu te amo.”

E eu ainda a amava. Com todo meu coração. Mas o que ela tinha feito não tem mais volta.

Resolvo chutar o pau da barraca. Só por agora, eu mereço um pouco de distração. Vou falar com a mulher que me encarava. Conversamos um bom tempo, simpática ela. Era tão legal que quase me fez desistir da ideia de beijá-la somente para tirar da minha cabeça a minha ex.

Mas foi somente quase. E eu até que gostei dela. Renata.

Trocamos até telefones, e estava indo tudo bem até eu ver minha amiga. Alice com certeza estava embriagada. Ela gritava no telefone com alguém, então eu me despedi da Renata e fui ajudar minha amiga.

Ela falava coisas sem sentido, dizia que não queria vê-lo, que não queria ver. Não entendi nada. Cauê também veio me ajudar, junto com um cara que ela dançou mais cedo. Não me importei muito em aprender o nome dele, mas agradeci sua ajuda.

Colocamos a Alice num táxi e eu fui pra casa com ela. A ajudei a tirar a roupa e tomar um banho. Ela ainda choramingava alguma coisa sobre ver alguém, mas eu a coloquei na cama e ela não demorou muito a dormir.

Antes de conseguir pegar no sono cometi o erro de ler todas as mensagens da Thereza. Me pedindo para voltar, dizendo que tudo tinha sido um erro, que me amava... Ler aquelas mensagens mexeram com o meu emocional.

Mas não fiz nada além de me agarrar num travesseiro e chorar até dormir.

No outro dia acordo uns gritos da minha amiga e quando olho para o lado não a vejo mais. Pego um negócio de madeira que tinha no quarto dela e corro para a fonte dos gritos.

Encontro minha amiga branca como um papel, e ela tremia. E quando ela me diz que tudo aquilo era por causa daquele filhote de cruz credo do Ricardo, eu guardo a minha dor no bolso e vou ajudar a minha amiga.

~Ricardo~

Foram oito anos que eu passei longe daqui, fora do Brasil. Tive que fugir daqui. Estava sendo ameaçado de morte por causa de algumas coisas erradas que fiz.

Não me arrependo de ter fugido, e nem de ter feito o que fiz, e não avisei para ninguém para onde ia. Nem para meus pais, nem para os meus amigos, para ninguém. Nem para a Alice.

Sumi totalmente do radar por algum tempo. Tinha que ser assim. Cobria todos os meus rastros. E quando estava lá, surgiram diversas oportunidades para mim, e eu abracei todas. Arrumei até uma mulher. Mas não durou muita coisa. Foquei no trabalho, e esse me rendeu muitas coisas boas. Agora com o meu status, não tenho medo mais de ninguém.

Minhas dívidas estavam pagas. Mais do que pagas, agora eu que cobrava.

Mas eu sentia uma saudade absurda de casa. Dos meus pais, dos meus irmãos, da Alice.

Falo com meus pais com frequência e eles não sabem dos motivos que fugi, mas me apoiam e entenderam. Eles vem me visitar de vez em quando, e em toda a oportunidade que eu tinha de ir para lá, inventava uma desculpa.

Não sei como ela vai me receber depois de tanto tempo. Espero que ela tenha recebido minha carta explicando os motivos de ter ido embora. Mas ela não me contatou, não falou nada comigo. Acho que tinha me esquecido. Eu não tinha a esquecido completamente.

Meu império crescia assustadoramente e eu já possuía mais dinheiro do que poderia imaginar. Sempre ajudei meus pais e irmãos. Tinha sedes da minha empresa espalhadas por diversos países, e agora, para a alegria da minha família eu estava montando uma sede no Brasil.

Estranho dizer que demorei oito anos para me instalar aqui no Brasil, sinceramente, fugia de lá. Não queria saber de assuntos no Brasil, pois me lembrava uma época obscura minha.

Mas tinha cansado de adiar o inadiável. Eu iria morar no Brasil, e vou fazer minha empresa dar certo aqui.

– Carlos – um brasileiro que eu conheci no meio das minhas viagens e acabou se tornando uma peça indispensável para mim. Era o melhor secretário que o dinheiro poderia me comprar. – Quero que você me arrume um lugar para ficar no Brasil e quero também que você procura alguns conhecidos meus, vão me ajudar na hora que a empresa começar a funcionar. Estou te mandando um e-mail com os nomes.

– Com certeza senhor Medeiros.

Entre os nomes que realmente ia precisar para a empresa, coloquei o nome da Alice, Alice Santos. Queria saber como ela estava. Será que tinha terminado a faculdade? Como será que está a vida dela? Será que está namorando? Noiva? Casada?

A curiosidade falou mais rápido e eu mesmo resolvi fazer a minha pesquisa. Ela tinha terminado a faculdade, na realidade, tinha terminado duas, impressionante. As informações que consegui reunir não foram muitas, mas pelo visto ela também não está casada.

Quem sabe nós não poderíamos continuar de onde paramos?

Quando Carlos me manda o email com o contato e informações de cada um, eu fico abismado com o que tem escrito no nome da Alice. Ligo para ele imediatamente.

– Pois não senhor Medeiros?

– Carlos, você tem certeza de todas as informações que tem nesse email?

– Claro que sim senhor. Está tudo correto. Revisei duas vezes antes de mandar para o senhor...

– O-obrigado.

A Alice tinha uma filha... E pelos meus cálculos, ela poderia ser minha...

Preciso voltar pro Brasil o mais rápido possível e falar com ela.

Genteee, carnaval aí, então já sabem né? Não tem postagem :(( Depois do carnaval Sam volta e vamos ver como vai ser esse reencontro da Alice e do Ricardo ^^ Irei tentar escrever no carnaval, não garanto muita coisa, mas saibam que irei ficar ausente esses dias :X

Que você aproveitem bem muito esse carnaval ;D Obrigada a todos, já estramos nos 2k de leituras :D Obrigada ;D E vamos que vamos meus amoores ^^

Quaeria saber também o que vocês estão achando do livro, então não tenham vergonha, digam o que estão achando nos comentários, até se não forem coisas boas, querosaber, assim quem sabe eu não posso melhorar?

Ahhh, e não menos importante, esse capítulo é dedicado à @SilviaBrasil ^^ Obrigada linda pelo seu apoio, é muito importante para mim ^^

Beijos lindos e até breve ^^

Amor na Segunda VoltaLeia esta história GRATUITAMENTE!