Capítulo 1 "Montherwoody"

12 1 0

Montherwoody

“Os homens tendem a acreditar sobretudo naquilo                        que menos compreendem.”

Michel Montaigne

CAPÍTULO 1X1 “Montherwoody”

Ucrânia, 26 de Abril de 1986

   Passos ligeiramente disfarçados. Respirações ofegantes. Desiquilíbrio emocional. Multidões de trabalhadores pagavam  por erros vindos de seus próprios parceiros. A quebra de regras era algo inaceitável na Usina de Chernobyl, mas mesmo diante de diversas imposições, resolveram contrariar devidas ordens de segurança. Alguns dos funcionários interrompiam a circulação do sistema hidráulico que controlava as temperaturas do reator, no entanto, mal sabiam eles que aquela devida ação proposta ocasionaria num marco fatal na história da humanidade.

   A ideia inicial era observar o comportamento do reator nuclear quando utilizado com baixos níveis de energia, no entanto, mesmo operando com uma capacidade inferior, o reator entrou em um processo de superaquecimento incapaz de ser revertido. Em poucos instantes a formação de uma imensa bola de fogo anunciava a explosão do reator rico em Césio-137, elemento químico de grande poder radioativo.

   A Usina de Chernobyl liberou uma quantidade letal de material radioativo que contaminou uma quilométrica região atmosférica. Todo e qualquer estabelecimento que a cercava seria vítima de tais precipitações humanas, mas um desses em especial, seria um marco futuro para uma pequena cidade dos Estados Unidos.

   Aos arredores da Usina nuclear de Chernobyl, localizava-se um enorme presídio estadual custeado pelo governo nacional da Ucrânia. O mesmo era composto por diversos presidiários insanos que eram postos ali por seus familiares que buscavam diversas melhorias em seu cotidiano. Horas antes da explosão que acarretaria nas mortes de todos aqueles envolvidos, uma jovem garota entregava seu filho para adoção diante da insuficiência de cuidados físicos e maternais. Distante do local requisitado, o veículo que levava o garoto sofreu um leve impacto diante do holocausto, mas nada que não pudesse contornar com relação aos fatores envolvidos.

    Esse foi o marco inicial para a história do presídio de Montherwoody.

Atualmente

                                                Estados Unidos, Kansas

   Josh William Dantas se tornou um dos mais prestigiados empresários do país, após todos seus esforços se concretizarem com relação aos seus ideais pretendidos. O jovem herdeiro continha 30 anos e junto desses, uma vida longa de sofrimento e pretensão ao seu redor. Josh foi levado para um centro de adoção após completar um ano de idade, deixando de lado todo e qualquer passado que pertencia-o.

   O jovem Dantas tinha um filho adotivo, chamado Henry, cujos todos confundiam como seu irmão devido à idade próxima entre eles. A relação entre ambos nunca havera sido fácil, e pelas circunstâncias que os envolviam atualmente, não seria agora que a tranquilidade reinaria em seus meios.

  Josh viveu 7 anos no lar adotivo, onde construiu diversos amigos devido ao seu respeito e  humildade desde criança. Após sair do local, o garoto buscou por notícias de seus antigos familiares até finalmente ter sua grande descoberta, de que sua família havera sido exterminada junto ao holocausto  da expansão da radiação. No início, foi difícil de suportar o que havia ocorrido anteriormente, mas ao passar dos anos, a aceitação era a única escolha que o mesmo continha. Isso não queria  dizer que Josh havia decidido abandonar completamente seu passado, contanto, não havia nada que o pudesse interligar até sua família, exceto por uma única e arriscada decisão.

     Com o passar dos dias, sua ideia estava se concretizando cada vez mais devido a grande colaboração vinda do governo estadunidense, o que deixava milhões de pessoas revoltadas com tais decisões governamentais. A reconstrução do antigo Montherwoody em solo americano se tornava um grande plano de aquisições para ambas as partes envolvidas, mas em contrapartida, uma grande obtenção para si próprio.

     Depois de 3 anos de discussões e planejamentos, o presídio de Montherwoody foi novamente reaberto com ambas as alas masculinas e femininas separadas uma da outra, com direção ainda pendente mas sobre os olhos do governo americano. Josh havia mais uma vez vencido uma longa batalha de ideais contrários mas de acordo com suas concepções do que era realmente necessário.

     Antes da oficialização da reabertura de Montherwoody, era necessário a  contratação de diversos profissionais para assumir cada cargo pendente no estabelecimento. Não demorou muito para todas as vagas serem preenchidas, e finalmente o presídio ser inaugurado na cidade do Kansas. Imediatamente, diversos presos de todas as localizações próximas  foram levados para ocupar o local devido a superlotação expostas nas mesmas.

 ********************************************************************************************************

       Escuridão, sonoridade extrema e um leve toque de mistério ocupavam as alas grupais dos quartos. Certo dia ouviu-se passos extremamente pressupostos de tal maneira que puderam ser ouvidos pelos moradores mais próximos das celas que rondavam o local.

       Steven, um dos mais novos carcereiros contratados, finalizava mais um dia de trabalho. O cansaço lhe tomava de conta enquanto seu único desejo era o sossego e a calmaria de sua residência. Tomando de lado seu casaco e as chaves de seu carro, foi caminhando lentamente até o estacionamento em busca de seu veículo. Sem perceber os arredores que o cercava, Steven deparou-se com seu carro aberto  e investigado sem nenhum rastro que denunciasse quem havera feito aquilo. Sem tranquilidade alguma para investigar tal ocorrido, o jovem carcereiro adentrou-se ao veículo  e imediatamente seus dedos ligavam em mais um de seus programas de rádio preferidos. Tudo preparado para partir até que algo de errado  pôde  ser percebido. Havia um saco enorme no banco de trás do automóvel, traçado com cordas fortes e abrangentes esculpidos por sangue sem identificação.

      Depois de uma longa pausa, Steven resolveu desatar o nó que prendia a abertura do saco, e após finalizar tal ação, percebeu que se tratava apenas de um animal morto. Ainda com questões pendentes, ele resolveu dar partida no carro para poder ir embora até que uma sombra pôde ser vista se aproximando dele. A mesma entrou dentro do veículo portando uma faca em um de seus punhos, direcionou-a  até a garganta de Steven causando uma abertura singela de sangue escorrendo por todo o banco do carro. O corpo do jovem carcereiro foi deixado no mesmo local sem ajuda alguma de quem tenha provocado o assassinato na localidade de Montherwoody.

MontherwoodyLeia esta história GRATUITAMENTE!