For every story tagged #WattPride this month, Wattpad will donate $1 to the ILGA
Pen Your Pride

Capítulo 22

366 44 9

Capítulo  22

João Marcos soprou o ar para fora de seus pulmões, fazendo sair a fumaça branca do cigarro que fumava. Debruçado sobre o deck que contornava o lago de sua propriedade, apreciava o silêncio da noite tranquila.  Aquele era um lugar muito bonito e agradável. O seu favorito desde a infância.  No extremo oposto ao que ele estava, havia uma casa construida com troncos de árvores onde sua família costumava receber as hóspedes

Quando João Marcos se casou com Suzana. Seu pai finalmente  atendeu  um velho desejo de sua mãe e comprou uma casa menor e mais moderna na cidade para onde se mudaram.

Agora Suzana havia partido.  Ela fugiu com um dos peões da fazenda o deixando só. Não,  na verdade não exatamente só. Graças a Deus ela havia deixado o maior tesouro da vida de João Marcos, Sofia, sua filhinha de cinco anos.

Ele não podia culpar Suzana. Há muito tempo ele não era um bom marido. Ele não entendia o porquê, mas só houve uma mulher que ele amara, Lúcia, e esta também o abandonou.

Mas agora, João Marcos estava vivendo um momento diferente. Algo inesperado acontecia em sua vida. E este algo inesperado respondia por um nome: Augusto.

Como se houvesse sido evocado com os pensamentos de João marcos. Ele apareceu montado em seu mangalarga, vindo do outro lado do lago.

Apeando prendeu Diamante em  uma arvore. E com passos lentos subiu no deck caminhou até a frente da porta da casa de hóspedes e parou olhando ao redor até que viu João Marcos.

-Droga! O que ele pensa que está fazendo aqui?

João Marcos sussurrou enquanto apagava o cigarro com a sola do sapato e caminhava com passos firmes em sua direção.

Augusto aguardava ao lado da porta.

João Marcos se aproximou , até que seus rostos ficassem a apenas um palmo de distância e disse em tom aspero.

-O que você esta fazendo aqui? Eu falei para você nunca mais aparecer.

Os dois se encaravam com ressentimento.

-Eu tenho que conversar com você.

Sem se afastar de Augusto, João Marcos sussurrou.

-Eu não tenho nada para conversar com um bichinha que nem você.

Augusto dando uma risada rápida em tom sarcastico disse:

-Se eu sou bichinha e você me fode, isso faz de você o que então? Me responde?

Ambos estavam com o rosto quase colado. Se olhavam em uma mistura de raiva, ressentimento e ...desejo reprimido.

João Marcos foi quem tomou a iniciativa. Puxando Algusto pelo pescoço,  imprimiu em seus labios um beijo intenso e apaixonado.

Augusto respondia com a mesma paixão.

Estendendo a mão para a porta João Marcos a abriu e sem parar o beijo eles entraram se dirigindo para o sofá. Em poucos segundos estavam exibindo seus corpos nus, extremamente bem esculpidos pelo trabalho arduo na fazenda. Eles se devoravam com os olhos. João Marcos exibia um pênis ereto, grande e calibroso com veias deliniando todo o seu contorno. Augusto não ficava devendo,. Embora um pouco menos calibroso, seu pênis também era grande.

Eles deitaram no sofá acoplando os seus corpos o máximo que podiam enquanto suas línguas executavam uma dança sensual em suas bocas e lábios e dentes duelavam em suaves mordidas.

Toda a paixão e desejo não podiam mais ser contidas.

Surpreendendo Augusto, João Marcos se inclinou e comecou a beijar seu peito, barriga até que começou a beijar, lamber e sugar o seu pênis.

Augusto gemia e sussurrava palavras de incentivo, dizendo o quanto ele era lindo e o quanto estava gostoso.

Surpreendendo ainda mais, João abriu as pernas de Augusto e introduziu a  lingua dentro cú de Augusto que ia a loucura gemendo palavras desconexas.

Virando Augusto para uma posição em que ele ficava com as pernas afastada, joelhos no acento e mãos apoiadas no encosto, João Marcos cuspia saliva em seu cú e introduzia seus dedos um a um até que colocando a cabecinha do pênis, surpreendentemente já com preservativo e foi introduzindo aos poucos. Apesar do cuidado de João Marcos, não estava sendo fácil para Augusto ter aquela tora enorme rasgando o seu cuzinho. Ele gemia de dor cada vez que João Marcos tentava introzir mais fundo.

Percebendo o incômodo de Augusto, ele retirou e cuspiu mais ainda. em sua entradinha.

Tornou a forçar com os dedos introduzindo com maior lentidão. João Marcos deve ter tocado em sua prostata, porque Augusto quase saltou com aquela sensação incrível.  João Marcos tentou novamente introduzir o seu pênis no cú de Algusto.  Dessa vez ele murmurava palavras de carinho em seu ouvido, o que parece ter dado certo, porque Augusto relaxou e quando eles perceberam João Marcos já havia enfiado tudo até o talo e seu saco tocava a bunda de Augusto que rebolava de forma suave para sentir um melhor atrito da junção de suas peles.

Joao Marcos começou a mover em um vai e vem lento até que não podendo mais se conter aumentou para estocadas rápidas e profundas, até que os dois vieram em um orgasmo juntos.

João Marcos abraçava Augusto por trás, beijando suas costas . Ficaram assim por um tempo até que se afastaram e foram para o banheiro se limpar em silêncio. Foram então para o quarto onde passaram a noite entre beijos, troca de carícias e muito sexo.

Pouco antes do amanhecer quando já estavam, novamente vestidos, João Marcos, disse:

-Eu pedi que você mantivesse alguma distância. Eu não quero te magoar Augusto. Mas eu não estou preparado para um relacionamento desse tipo. E nem sei se um dia vou estar. Eu tenho a Sofia e não quero que ela pense....

-Na verdade Marcos, eu não vim aqui por essa razão. -Augusto o interrompeu.

-Não mesmo? Pois não foi o que me pareceu. Ou vai dizer que eu sou tão irresistível assim?

-Idiota convencido.- Augusto disse com uma risada seca - Eu estava falando de algo que aconteceu quando eu tinha oito anos e andava xeretando por aí tudo.

-É? E o que eu tenho a ver com isso?

-Bom tem muito porque é sobre quando eu me lembro de ver você e Lúcia lá no açude do Guina.

João Marcos ficou lívido. Se aproximou mais de Augusto e entre os dentes sussurrou.

-Isso foi a muito tempo atrás. Eu só tinha quatorze anos. Não quero nunca mais ouvir falar da sua irmã. Foi ela quem resolveu me abandonar. Para mim este assunto já está morto e enterrado.

- Pois saiba você que a minha irmã, conforme tivemos a confirmação ontem, realmente está morta e enterrada, mas Leonardo, o filho que ela carregava na barriga quando saiu daqui e hoje é a sua cara, está neste exato momento dormindo com o marido dele no quarto que era da Lúcia.

-É João Marcos. É isso mesmo. Como você deve ter entendido muito bem, você tem um filho e ele é muito mais macho do que você,  que não passa de uma bicha enrustida e que não tem culhões pra sair de dentro desse maldito armário de merda.

Dizendo isso Augusto virou as costas e saiu da casa com passos furiosos em direção a Diamante. Montou e partiu em um galope acelerado, deixando um João Marcos chocado, assimilando toda aquela inacreditável informação.

****** Continua *******

Querido leitor.

Sevocê chegou até esse ponto da leitura, deve ser por que o livro está legal.

Me dê uma ajudinha na promoção.

Clique na estrelinha e faça algum comentário,  me deixando saber a sua opinião. Assim ele sobe na lista e os outros leitores passam a ver e se interessar também.

Valeu!  ;-)

Um Amor DiferenteLeia esta história GRATUITAMENTE!