Chegando na Índia

710 48 8

Pov Rodrigo.

Eu abro os olhos e olho para os outros que estão com o olho arregalado.

Olho para frente e entendo o motivo.

Havia um GIGANTE hotel trouxa a nossa frente.

Tínhamos reserva ali? Naquele hotel?

Merlim, obrigado!

Entramos e entregamos nossas malas.

Ficamos no décimo sétimo andar.

Haviam 4 quartos , como prometido, 2 banheiros e em cada quarto, um ar condicionado, um frigobar e um forninho e uma cama de casal gigenorme.

Combinamos os quartos e já nos ajustamos em seu respectivo quarto.

Me sento em minha cama.

Vieram apenas eu, Manu, Gustavo e Rachel.

Me sinto tão só.

Eles são tão juntos, se conhecem tão bem.

Qual é a cor favorita da minha irmã?

Qual o livro favorito de Guga?

Qual o comediante que Manu mais gosta?

Não sei.

Mas sim!

Eles sabem.

Agora vejo o quanto eu vacilei.

Rach e Manu não falaram nem um "oi" comigo desde o dia da festa do Tomaz.

Poxa! Qual é?

Eu só estava nervoso!

Não queria bater nem xingar ninguém!

Vacilei.

Eu vacilei.

Assumo.

Eles se reuniram no quarto de Rach e vão ver um filme.

Eu cheguei no quarto e realmente me senti excluído ao ver que os três estavam deitados confortavelmente na cama de casal e eu me vi tendo que sentar na poltrona.

O filme começou.

Acho que é de terror.

Ao longo do filme Manu dormiu.

Sim! Eu fiquei os vigiando a cada 5 minutos.

Não! Eles não falaram um "oi" comigo.

Eu sempre pensei que quando eu tivesse a Maque, eu não precisaria de mais ninguém.

Mas , por incrível que pareça, esse sentimento de vazio, é  bem pior que não ter a Maque.

Chegou uma parte do filme que já não aguentava mais.

Eu tinha que fazer alguma coisa.

Me levantei num salto e arrastando a poltrona, o que fez Manuela se levantar.

- EU ERREI , TÁ LEGAL? ME DESCULPE! O QUE MAIS VOCES QUEREM QUE EU DIGA?

Sai dali e me tranquei em meu quarto.

Eu agarrei meu travesseiro e chorei.

Não quero que ninguém me veja assim.

Um tempo depois eu ouço batidas na porta.

- Vai embora ...- falo gentilmente tentando disfarçar o choro.

Me levanto e (por sorte) vou ao banheiro sem ninguém me ver.

Dramione,o filho da esperança.Leia esta história GRATUITAMENTE!