A Gerra das Trevas 1-capítulo

44 4 0

A escola vai começar, novas criaturas vêem para cá estudar e talvez finalmente uma delas venha para o meu quarto. Vejo a porta do meu quarto a abrir e qual não foi o meu espanto que uma bela menina de cabelos verdes, com os olhos dourados, dois aneis, mas um deles era especial, era um anel das bruxas.

- Como te chamas?- Perguntei curioso.

- Sofia, a bruxa Sofia. E tu, como te chamas?-Respondeu ela com um pequeno riso.

-Rafael.- Respondi à sua pergunta.

-Olha uma pergunta?-Pergontou Sofia. - É este o meu quarto?

-Que numero és, olha o número que vem para este quarto é o 117.- Respondi apontando para a cama que tinha o número.

- Não, o meu numero e o 116. Por um que não ficava aqui contigo.- Disse Sofia triste por não ficar no mesmo quarto que ele, e ainda acrescentou.- Fica para a próxima.

-Pois, fica para a próxima.- Respondi-lhe para terminar a conversa.

O som do toque da campainha fes-se ouvir para entrar na sala de aula, foi vestir umas calças de ganga com uma camisola preta. Ao sair do quarto vi muitas criaturas diferentes como um vampiro e uma vampira, um fantasma e uma fatasma, eu que era um lobisomen, mas não é costome dizer a toda gente e uma lobisomen, um broxu e uma bruxa que era a Sofia. Não estava à espera de encontra-la na minha turma.

-Oi. Estás na minha turma?-Disse com um grande sorriso na cara.

- Sim, pelos vistos estou na tua turma.- Respondeu ela contribuindo com um grande sorriso.

- Os meninos vão continuar a namorar ou vão se sentar no vosso lugar?- Perguntou o professor.

- Professor, primeiro, nos não somos namorados e segundo eu já estou no meu lugar portanto quem tem de se sentar no seu lugar é o Rafael.- Respondeu ela com um tom de voz alto.

Fui para o meu lugar, passei mais o tempo a olhar para as novas pessoas que estavam na minha turma do que a tomar atenção à aula. Quando tocou para ir almoçar era uma confusão pois estavam todos cheios de fome e além disso como era muita gente alguns ficavam sem comida.

Não era o meu caso, eu como estou nesta escola há muito tempo eu peço a contina para guardar a comida.

Eu e a Sofia ainda ficamos no jardim a falar de como seria a nossa vida se nos foce-mos humanos e como eram. Se eram loiros, com cabelo castanho, se eram magros, gordos ou se eram altos ou baixos.

- Olha é melhor irmos comer porque senão ainda não sobra nada para mim.- Disse Sofia ao levantar-se e a correr para o refeitório.

Quando chegaram ao refeitório eu só disse o meu nome e a Sofia ficou com a pior comida que se podia servir. Arroz seco e carne mal passada.

Foram para a primeira mesa e começaram a comer, derrepente o toque da campainha ouvio-se e eles os dois comeram rapido e foram para a proxima aula que era ao pé do meu quarto.

Durante o caminho um vampiro dexideu lançar os caninos e eu ao asustar-me transformei-me em um monstro orrivel. Um bolisomen. Passado uns segundos voltei a ficar humano e o vampiro pedio desculpa, e eu claro desculpeio.

Durante o caminho todo não falamos, fomos para a sala e o dia todo não falei com a Sofia.

Já no quarto a Sofia foi ter comigo e pergontou-me.

- Olha posso saber porquê que tu o dia todo não falaste comigo?-Perguntou ela muito triste.

- Porque viste o tipo de criatura que eu era, e este tipo de criaturas não costumam estar nesta escola, mas como o diretor desta escola é o meu pai e meteu-me nesta escola.- Respondi triste de ela saber que criatura eu era.

-Oki, olha amanha é um novo dia e novas criaturas vêem ai, por isso carrega as forças- Disse ela a abanar a mão querendo dizer adeus e fechou a porta.

A Guerra das trevasLeia esta história GRATUITAMENTE!