Capítulo - 5

394 31 0

Anabella continuava com uma cara de pastel, mas agora ela estava em fúria.
Anabella: Você está maluca menina?! Se nos raptarem? - Ela olhava para mim com um olhar que queimava
Tay: Claro que não vão nos raptar né, ele sabia o teu nome e para de bancar a certinha deixa os meus vizinhos verem que estou chegando de limusine HAHAHAHA... - Ela abanou a cabeça enquanto eu me deitava nos bancos, o carro parou e o homem veio abrir a porta para mim, eu dei um beijo na Bebella e desci, antes que o homem fecha-se a porta eu gritei ''Se te raptarem ligaaaa...'' - O homem fechou a porta e eu entrei correndo dentro de casa.

AnabellaNRD

O carro continuava a andar e eu me sentia cansada. Tirei os sapatos. Deitei-me num dos bancos, fechei meus olhos e tentei imaginar muitas coisas que me pusessem calma, mas não conseguia só havia uma coisa ou melhor uma pessoa em que eu pudesse pensar que me deixava calma, mas também me deixava triste. Por isso abri meus olhos olhei para o espelho e sorri. Sentei-me, calcei e depois de alguns minutos o carro parou. Assustei-me, porque não era a porta da minha casa eu conseguia ver pela janela do carro. Parecia um restaurante, peguei minha bolsa e pus bem perto de mim, tirei meu telefone da bolsa para tentar ligar para alguém para avisar, mas antes que eu tentasse o homem abriu a porta e disse:
- Senhorita De'Laprada chegou ao seu destino, faça o favor de descer. - Ele falou tentando sorrir.
- Como assim meu destino? Minha casa não é aqui. - Eu falei assustada recusando-me a descer do carro, ele estendeu-me a mão.
-  Se a senhorita descer eu mostro-lhe - Ele disse sorrindo e eu fui saindo do carro. - Por fim saí e ele fechou a porta, esticou o seu braço, eu estiquei o meu e entrelaçamos. Fomos para dentro do local. O maître do restaurante veio ter conosco e nos acompanhou até a parte de cima, que tinha pouco movimento.
As pessoas olhavam para mim de uma forma estranha principalmente os homens. Fomos nos aproximando de uma mesa que havia pessoas que eu não conhecia, ele disse-me para sentar e em seguida desapareceu.
Eu não conhecia ninguém naquele lugar, não sabia nem porquê que estava lá. Pedi licença, levantei-me e comecei a discar o número da Tay para saber se ela podia me ajudar, enquanto andava alguém pegou-me no braço, virei-me e prontos era ele.
Lexus: Para onde você vai? - Ele perguntou sério.
Anabella: O quê que você faz aqui? - Eu perguntei assustada.
Lexus: Sabes que eu não gosto quando respondes com perguntas as perguntas que eu faço. - Ele fechou a cara.
Anabella: Eu vou ao banheiro. - Respondi calma.
Lexus: Vê se não demora, é feio deixares as pessoas à espera. Já esperamos por ti o suficiente, precisamos comer. - Ele disse rude e foi para a mesa.

Respirei fundo. Lavei meu rosto, limpei-o, dei um jeito de prender o meu cabelo. Eu estava tão cansada que nem ligava para as pessoas que pudessem me ver. Passei um batom escuro e fui para a mesa. À caminho da mesa alguém deu-me um encontrão fazendo-me desequilíbrar, mas com sorte esse alguém conseguiu agarrar-me.
- Desculpa, desculpa mesmo. - Ele lamentava sem parar.
- Okay, não tem problema foi um acidente. - eu disse e ele estendeu-me a mão. Tinha alguém que não parava de observar-nos.
- Henri é meu nome. E você? - Eu dei um sorriso discreto, e antes que eu falasse alguma coisa o Lexus puxou-me e levou-me até a mesa. Na mesa as pessoas falavam e se riam, mas eu não sabia o que dizer, porque os assuntos deles não tinham nada haver comigo, não podia nem mexer no telefone, porque era falta de educação e ele tinha confiscado o mesmo. Uma voz soou então na mesa.
- Então mocinha bonita como se chama? - Perguntou um dos homens na mesa enquanto os outros olhavam para mim atentamente.
- Anabella. - Respondi rápidamente.
- O que faz da vida? - O homem continuava a perguntar e com um sorriso no rosto.
- Sou estudante. - Eu tentei retribuir o sorriso.
- Que idade tem? - Ele parecia curioso
- 17 anos. - Respondi com uma certa dificuldade. E a cada pergunta e resposta Lexus apertava o meu braço. O homem tentou levar a conversa adiante, mas Lexus não permitiu dizendo que não era para ninguém fazer-me perguntas ou me dirigir palavra.
Chegou a noite e todos vão para casa, eu também precisava ir. Lexus se despediu dos convidados ou amigos não sei o que lhes chamo ele não me apresentou mesmo. A porta da limusine foi aberta, entrei e sentei-me, em seguida ele entrou e sentou do meu lado e a porta fechou-se.

Lexus: Quem era aquele homem? - Ele perguntou seco sem olhar na minha cara.
Anabella: Que homem? Estamos a falar de ? - Respondi confusa.
Lexus: O homem que estava a te segurar. - Ele falou mais frio ainda.
Anabella: Não conheço, esbarrou-me e ajudou-me a não passar vergonha. - Falei firme e ele me fitava para ver a minha reacção.
Lexus: Porquê que você respondeu as perguntas que te estavam a fazer? - Ele perguntou outra vez.
Anabella: Você diz para não ser mal educada e não eram grandes perguntas. - Eu respondi sem ligar muito.
Lexus: Eu não gosto quando você me desobedece, parece que faz de próposito. - Ele começou a elevar a voz.
Anabella: Eu não te desobedeci, você me machucou olha para o meu braço. - Respondi mostrando as manchas que ele havia deixado no meu braço, só por responder as questões.
Lexus: Não teria te machucado se você tivesse se comportado. - Gritou mais uma vez.
Anabella: Eu me comporto sempre, mas você vê sempre um erro mesmo quando não faço nada. - Respondi já um pouco nervosa, porque ele começou a gritar.
Lexus: Anabella você fumou erva na festa, bebeu, deixou que te apalpassem, se comportou como uma P**a , partiu minha cabeça. Sim, vendo isso mesmo você não faz nada merece aplausos. - Ele falou irónico e parecia que só estava a piorar.
Anabella: Você me ensinou a fumar, mas agora não quer que eu faça, sim pois é. Às vezes parece que não gosta de mim, me trata como se fosse sua... Nem tem descrição, não me respeita, me dá gritos a toda hora, me trata com frieza, eu nem sei quem é você de verdade... - Respondi no mesmo tom de voz que ele.
Lexus: Anabella chega!!! - Ele gritou bem firme, me deixando com medo, mas ele é que tinha pedido que as coisas chegassem até aí.
Anabella: Não chega, você precisa aprender a ouvir... - Gritei com ele.
Lexus: ANABELLA CHEGA!!! - Ele gritou mais alto se descontrolando.
Anabella: NÃO! - Eu gritei e ele deu-me uma na cara, o meu rosto ardia, eu chorava, não sabia se era de raiva ou de tristeza mesmo. Me afastei, passei as mãos pelo meu rosto, fiquei a olhar pela janela enquanto ele passava as mãos pela cabeça, ele tentou se aproximar e eu me afastei mais, ele tentou mais uma vez e eu pedi para que ele se afastasse de mim. Tirei as mãos do meu rosto, puxei minha bolsa, tirei meu telefone, ele ficou a olhar para mim e em seguida disse:
- Tu não podes ir assim para casa! - Ele falou e baixou a cara, eu não respondi nada continuei calada a olhar para o telefone e ele continuou - Tu estás nervosa, tens manchas nos braços e agora no rosto eu acho que os teus pais não vão querer te ver assim e tu também não vais querer vê-los assim. - concluiu.
- Quero ir para minha casa! - Ordenei sem olhar na cara dele.
- Tu és muito teimosa, por isso estás assim agora! - Ele falou chateado e tentando se aproximar, mudei de banco e deitei-me, fechei meus olhos e adormeci.

O carro parou, abri meus olhos e dei de cara com os dele, estava com a cabeça no colo dele e ele me estava a observar, levantei o mais rápido possível, peguei minhas coisas e desci do carro ''OH FUCK, ESSA NÃO É A MINHA CASA'' - Pensei eu. Ele desceu do carro e me puxou para dentro de casa. Quando assustei já estava em um quarto grande, não muito luminoso, ele entrou em outra porta que parecia o closet e voltou sem t-shit e deu-me uma camisola super grande para dormir fui lá para dentro troquei-me e deitei-me num dos sofás que lá estava, uma voz grossa soou pelo quarto...
- Vem para à cama, deixa de ser orgulhosa. - Ele disse como se estivesse a pedir.
- Não obrigada, aqui estou bem. - Respondi rude.

Peguei meu telefone e enviei uma sms para a minha mãe.
- Mãe eu sei que está tarde, mas eu vou dormir na casa da Tay. Desculpa não ter pedido a tua permissão. Bjos TE AMO <3

Ele levantou da cama foi na minha direcção, pegou-me e pôs-me no colo e levou-me em direcção a cama pousou-me e eu virei a cara para o outro lado,enquanto ele virava para ver se eu virava na sua direcção.


25 MinutosLeia esta história GRATUITAMENTE!