(n/autora: oi gente, entao, só quero falar que PENULTIMO CAPITULO!!1!)

Sam POV

Eu e Ed chegamos ao nosso quarto no hotel aliviados por finalmente conseguirmos guardar o japonês no guarda-roupas. 

"Ed", eu suspirei e agarrei as pequenas mãos do Ed, que eram incrivelmente macias. "Eu preciso falar com você."

"Sam?", ele me olhou curioso e eu sorri levemente para o mesmo. "Eu fiz algo de errado?"

"Eu acredito que nós fizemos muita coisa errada, Ed", eu ri. "Mas não é sobre isso que eu quero falar com você", eu larguei suas pequenas mãos, olhando-o nos olhos. "Você quer fazer a coisa mais sagrada que poderíamos fazer em prova do nosso amor nesse mundo?", ele sorriu abertamente e assentiu. "Bem, então, você quer beijar minha barriga?"

"Sua barriga? Beijar?", Ed corou imadiatamente. 

Eu me aproximei dele lentamente e então BAUM. Os colares de presunto estavam jogados no chão e então eu tropecei em sua carne lisa, gelada, rosinha e deliciosa. 

Então eu só pude ver meus pés peludos depositando-se a uma almofada laranja e macia, que me dava vontade de chupar toda a sua extensão. Eu percebi então que não era uma almofada laranja e sim um palmito com cenoura ralada em seu topo esmagado, parecia uma tapioca. Uma tapioca deliciosa e gostosa que eu queria sugar até desmaiar.

"Uh, Sam", a tapioca começou a falar comigo

"Ed! Você está delicioso, uh"

Uma decisão cruel se formou em minha mente. Eu precisava decidir se eu comia aquela tapioca deliciosa, Ed, ou o salvava. Eu não conseguia me controlar, eu queria lambe-lo, morde-lo até não sobrar nada. Eu pressionei meus olhos, minha mente estava em conflito. Eu precisava me controlar, Ed precisava ser salvo por mim, eu o amo tanto...

Eu quase não resisti. Dei-lhe uma lambidinha no umbigo e então saí de cima dele, levando-o até a cama. Eu consegui salvá-lo. Eu estava extremamente orgulhoso de mim mesmo naquele momento, a minha fome não me venceu dessa vez.

"Sam", Ed me chamou numa voz falha. "Estou orgulhoso de você, meu balofinho"

Eu me aproximei da boca de Ed lentemente e posicionei meus lábios contra os lábios macios do ruivo e então comecei a soprar. Eu enchia o Ed até que ele ficou cheinho, até mais do que o normal. Então eu pude ouvir um som de peido saindo do fiofó do Ed.

"Ed, você tá vazando o ar!", eu franzi o cenho e me dirigi ao armário de remédios pegando um band-aid. "Empina aí", ordenei e então coloquei o band-aid cobrindo o fiofó dele. Isso vai doer na hora de tirar. 

Eu precisava falar com o Ed, falar tudo o que eu queria para mim e para ele, eu queria estar junto dele para sempre, nem que eu tivesse que colar o fiofó dele para sempre. Eu seria sua passiva, ele seria minha ativa, seríamos felizes para sempre.

Eu vou fazer isso.

"Ed...", eu passei a minha mão pelos seus cabelos ruivos macios. "Eu... eu já preparei um lugar no ginecologista mais próximo, seria perfeito, eu... espera. Sam, se acalma", eu falava comigo mesmo. "Eu só queria te dizer o quanto eu te amo, nós nos conhecemos num café qualquer, você não comia nada... E eu agradeço por você não ter comido nada para eu te conhecer, eu te adoro meu palmito ruivo.", eu me emocionei enquanto balançava levemente minha cabeça.

"Sam, eu te amo, tudo o que passamos valeu a pena pra mim.", as lágrimas se formavam no rosto de Ed e ele agarrou minha mão.

"Ed", eu me ajoelhei sorrindo abertamente. "Você quer casar comigo?"

(n/autora: MEU DEUS SENHOR, VOU XORA ME ABANEM quantas emoções ne amo vcs)

My Sweet Whale × Ed&Sam AU☽Leia esta história GRATUITAMENTE!