Amigos?

2.2K 150 0

Estávamos pegando as cestas e entrando no mercado.

Liz: ai que legal, eu nunca fui ao mercado – rimos, de fato a Liz nunca entrou em um supermercado, ela é muito mimada, e sempre que queria algo, sua empregada ia comprar.

John: como não?

Liz: tem tudo o que eu preciso em casa, e quando falta algo a empregada vai comprar pra mim,e, nem sei onde fica o mercado do nosso bairro

Rafa: quando eu falo que você é uma patricinha você não acredita – os meninos riram

Liz: você fala como se já tivesse ido em um

Rafa: mas eu já fui – rir

Liz: e no do nosso bairro?

Rafa: não, mas pelo menos sei onde fica - rimos

Vó: iremos fazer assim, Liz e John vão pra seção de bebidas, peguem isso para mim – entregou um papel a eles – Rafa e Phonso vão escolher as carnes, encontramo-nos aqui assim que terminarmos – ela sorriu e saiu andando

Eu não estava acreditando naquilo, quando olhei pra Liz pra pedir pra trocar, ela já tinha sumido, o Phonso seguiu para a seção das carnes em silencio, fiz o mesmo, ele ia escolhendo as carnes e eu estava calada quando o Phonso me chama…

Phonso: Rafa?

Rafa: sim? – o olhei

Phonso: você é alérgica ah algum tipo de carne?

Rafa: não, nem a Liz – ele sorriu – Mas Phonso pra que isso tudo?

Phonso: amanhã é o aniversario da minha avó, por isso estamos comprando essas coisas

Rafa: entendi

Terminamos a nossa lista e voltamos para o lugar marcado por minha vó,

Phonso: Rafa

Rafa: sim?

Phonso: porque você não gosta de mim? – oi? Como?

Rafa: jura que não sabe

Phonso: não, eu nunca te fiz nada.

Rafa: é você pode não ter feito, mas ajudou e muito,

Phonso: ajudei? Como assim?

Rafa: esquece – suspirei, como ele era sínico,

Phonso: olha, eu me arrependo do que fiz com você naquele ano – olha que legal ele lembrou – eu não queria, eu queria te ajudar entende, eu fiquei super mal por te ver daquele jeito, e ter te ajudado a ficar daquele jeito – ele respirou fundo – se eu pudesse voltar no tempo, eu mudava tudo, mas eu não posso, a única coisa que posso fazer é te pedir desculpas, e digamos uma nova chance pra me aproximar de você

Rafa: você e seus amigos me magoaram muito Aphonso, desculpas não vai diminuir a dor que eu sentir depois daquele dia. – respirei fundo e o olhei – deixa por conta do tempo, se a dor for diminuindo eu vou me aproximando de você – ele sorriu e assentiu.

Voltamos a ficar em silêncio, até minha vó chegar junto a Liz e o John, notei que o batom da Liz estava meio borrado e a boca do John estava meio vermelha, comecei a rir

Phonso: do que está rindo – sussurrou me olhando assustado

Rafa: olha o casal – ele olhou e começou a rir também

John: do que vocês estão rindo? – continuamos a rir

Rafa: nada, nada não – rimos novamente

Phonso: ai cara, eu não sabia que sua boca era tão vermelha assim – rimos alto

Rafa: eu pensei que você fosse mas cuidadosa na hora de passar o batom amiga – rimos mais alto, eles se olharam e abaixaram a cabeça envergonhados e riram conosco – venham, vamos ajudar avisar a minha avó.

Nós ajudamos minha vó a terminar as compras e pegamos as sacolas, os meninos pegaram as mais pesadas, e voltamos conversando, enquanto minha vó nem ligava para nossa conversa, chegamos e guardamos as coisas na casa da avó do Aphonso, depois fomos a praça, do bairro, ela era bastante movimentada principalmente naquele horário, chegamos e sentamo-nos em um banco, os meninos foram comprar alguma coisa me deixando apenas com a Liz

Rafa: o beijou novamente? – a olhei rindo

Liz: não tive como evitar amiga, eu o amo e o desejo – ela suspirou

Rafa: eu não posso te ajudar nesta questão Liz, nunca sentir o que sente

Liz: sei bem – sorriu – mas como foi com o Phonso

Rafa: ele me pediu desculpas, por tudo o que fez comigo, e pediu uma chance pra se aproximar de mim e ser meu amigo

Liz: e você?

Rafa: não sei, ainda sinto magoa do passado. É melhor deixar o tempo passar, quem sabe esse dor não diminui e eu não me aproximo mais dele né

Liz: é – ela sorriu

Rafa: mas então, o que vai fazer hoje a noite?

Liz: talvez eu fique na calçada com os meninos,

Rafa: prometo que volto cedo – ela sorriu

Liz: ótimo – rimos – Rafa?

Rafa: sim?

Liz: você acha, bem… Como te dizer – ela suspirou confusa – você acha que o John, ele… Ele me ama

Rafa: bem, não sei bem, ele demonstra, mas demonstração nem sempre é tudo certo? – ela assentiu

Liz: tenho medo, dele apenas está me iludindo.

Rafa: por que não faz isso, como a ultima vez? Vocês já ficaram antes certo?

Liz: sim, mas não existiam sentimentos.

Rafa: finja que não existem sentimentos Liz, se ele realmente te ama ele vai perceber e vai querer algo serio com você.

Liz: mas, bem o que faço até ele percebe… Se é que ele chegará a perceber

Rafa: divirta-se como da ultima vez, fiquei sem compromissos, - ela suspirou e me olhou.

Liz: vou fazer isso, fingir que não há sentimentos e me diverti.

Rafa: isso mesmo – sorri

Liz: espero não sofrer no final disso tudo

Rafa: não irá, e se sofrer estou aqui lembra?

Liz: lembro – sorrimos e nos abraçamos – te amo seu saco de osso

Rafa: te amo sua baleia – rimos e nos desvencilhamos do abraço.

Os meninos voltaram com refrigerantes e salgados, comemos, e voltamos a conversa, a tarde se passou rapidamente rápida, por volta das cinco e quarenta, eu voltei pra casa, me arrumei e vestir minha roupa. Depois de pronta fiquei esperando minha mãe. 

Cinco DiasLeia esta história GRATUITAMENTE!