Previous Page of 53Next Page

O doce veneno do Escorpião - Bruna Surfistinha

spinner.gif

O doce veneno do Escorpião

Copyright (C) 2005 Bruna Surfistinha

Supervisão editorial

Marcelo Duarte

Assistente editorial Tatiana Fulas

Projeto gráfico

Luciana Porto Alegre Steckel

Diagramação

Divina Rocha Corte

Preparação de texto

Alessandra Miranda de Sá

Revisão

Ana Maria Barbosa

Cristiane Goulart

Foto da capa Carol do Valle

CIP-BRASIL CATALOGAÇÃO NA FONTE

SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ.

O doce veneno do Escorpião

1. edição - São Paulo Panda Books, 2005

1. Surfistinha, Bruna 2 Prostitutas

CDD 920.930674

05-2960. CDD 929:392.65

2005

Todos os direitos reservados à

Panda Books

Um seio da Editora Original Ltda.

Rua Lisboa, 502 - 05413-000 - São Paulo - SP Tel.: (11) 3088-8444 - Fax: (11) 3063-4998 edoriginal@pandabooks.com.br

www.pandabooks.com.br

**

Interfone. Ele chegou! Deixei subir. Enquanto ele pega o elevador, checo os últimos detalhes: cabelos escovados, pele cheirosa, boca pronta para o que der e vier.

No quarto, a cama à espera, a luz bem leve. Para completar o clima, coloco um CD (se ele for chato, toco baladinhas, techno, para agitar um pouco; se for legal,

prefiro Jota Quest, Emerson Nogueira, uma coisa mais romântica). Visto uma saia bem curta e provocante, com um top que valoriza meus seios. Tudo fácil de tirar.

Ou de ser tirado. Calço sandálias bem altas. Não que me importe de ser baixinha. Faz parte do meu charme. Toca a campainha. Atendo. Ele entra. Me beija no rosto

e se apresenta, já que é sua primeira vez comigo. Mesmo sem precisar, faço o mesmo. Pego ele pela mão e o levo até o sofá. Em clima de namoro, a conversa começa

e logo ruma para a putaria.

- 5 -

"Hoje, quero te pegar de jeito, por trás."

Mas você quer minha boceta ou meu cu?"

Eu quero tudo , ele responde no meu ouvido enquanto passeia sua mão pelas minhas coxas.

Sua boca ofegante roça o meu pescoço; sinto a barba por fazer, enquanto com minhas mãos entre suas pernas sinto o mundo virar pedra. Com um puxão dele, o top desliza

e meus seios pulam para fora. Como quem descobre um novo brinquedo, deixo que ele segure firme, mas com carinho, O bico do meu seio fica intumescido com aquela língua

atrevida passeando pela auréola. Sinto sua respiração quente, ofegante. Lambe um seio, depois o outro, junta os dois com as mãos, querendo encher a boca como um

Previous Page of 53Next Page

Comments & Reviews (31)

Login or Facebook Sign in with Twitter


library_icon_grey.png Add share_icon_grey.png Share

Who's Reading

Recommended